Gênero e sexualidade

MACHISMO

Durante isolamento social, casos de violência doméstica no RN aumenta em 169,2%

Um estudo assinado pelo Observatório Letal e Internacional do Rio Grande do Norte (OBVIO-RN) afirma que o número de violência doméstica cresceu 169,2% ao longo da quarentena imposta pelo novo coronavírus no estado. O estudo também aponta o aumento de tentativas de homicídio para 159,1% entre os dias 12 de março e 4 de agosto deste ano em comparação com o mesmo período em 2019.

terça-feira 11 de agosto| Edição do dia

Com a pandemia, as mulheres que já sofrem com a dupla jornada com o trabalho dentro e fora de casa, viram essa carga aumentar com o EAD de seus filhos e o cuidado em tempo integral das crianças. O isolamento social tem sido aplicado de forma irresponsável pelos governadores desde o início da pandemia, com isso, além da precarização maior da vida dessas mulheres e população de conjunto por conta do desemprego e falta de EPIs, também houve um aumento significativo no número de violência doméstica, não só em RN, mas como no Brasil e no mundo.

Conforme o estudo realizado no RN, os registros de violência doméstica saíram de 552 registros em 2019 para 1.586 casos este ano. As tentativas de homicídio saltaram de 22 registros para 57 no mesmo intervalo de tempo analisado. Este estudo se cham “Impacto da Pandemia de Covid-19 na criminalidade e na Violência do Rio Grande do Norte” analisou 11 tipos de crime no Estado no período da pandemia comparado ao mesmo período em 2019.

O machismo é estrutural e útil ao capitalismo, e por isso é utilizado e reforçado por todos os políticos da direita e extrema direita, assim como todos que querem manter esse sistema de exploração, que nada tem haver com a preservação da vida dessas mulheres, isso se prova mais profundamente agora na pandemia, onde as mulheres estão presas em casa junto aos seus agressores e nada se faz sobre isso. A própria Damares Alves que chefia o ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos que deveria representar e estar ao lado dessas mulheres, finge não ser da sua competência, pelo contrário, constrói diretamente esse sistema de exploração e se coloca como apoio apenas aos lucros dos capitalistas.

O sistema capitalista sempre só teve miséria a oferecer às mulheres, isso se mostra com a realidade de salários menores, ao mesmo tempo que duplas e triplas jornadas de trabalho é praticamente uma obrigatoriedade, as colocando enquanto escravas do trabalho doméstico e com a gratuidade desses trabalhos, o lucro dos capitalistas aumentam. Tendo salários mais baixos que os homens, a discriminação contribui para o rebaixamento salarial do conjunto da população.

É um enorme absurdo a situação de aumento da violência doméstica no Rio Grande do Norte. É de extrema necessidade a existência de abrigos abertos e seguros para as mulheres, com medidas sanitárias adequadas para que assim exista uma quarentena apropriada para todas as residentes e funcionários, sem superlotação de quartos, podendo, por exemplo, fazer uso de casas vazias, dormitórios e hotéis a serviço do combate à violência contra a mulher, não somente em RN, mas no país de conjunto. Junto a isso, é necessário atendimento psicológico a todas as mulheres e um salário mínimo de 2 mil reais a todas, que muitas vezes são dependentes financeiramente de seus companheiros. Além disso, também é necessária a licença remunerada dos trabalhos não essenciais e a criação de empregos e subsídios para mulheres desempregadas.




Tópicos relacionados

Mulheres   /    Rio Grande do Norte   /    Violência contra a Mulher   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar