Política

CORRUPÇÃO TUCANA

Durante governo de Aécio, empresa de seu pai faz parceria com estatal mineira.

sábado 11 de junho de 2016| Edição do dia

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, em março de 2010 o então governador de Minas Gerais, Aécio Neves, 11 dias antes de renunciar ao cargo para concorrer ao Senado, aprovou um acordo entre a estatal Epamig (Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais) e a Perfil Agropecuária, empresa de seu pai, Aecio Ferreira da Cunha.

O termo do acordo previa o pagamento de R$250 mil para a plantação de 1.400 kg de sementes de feijão na fazenda do Aécio pai, localizada em Montezuma (Norte de Minas). A empresa foi herdada, junto com o termo, por Aécio Neves e sua irmã, Andrea Neves, em função do falecimento de seu pai naquele mesmo ano, quando também, em dezembro foram desembolsados R$ 150 mil para a empresa.

Na última quarta-feira (8), o deputado estadual Rogério Correia (PT) entrou com um pedido de investigação contra o termo de parceira entre a estatal e a empresa do pai de Aécio no Ministério Público Estadual.

"Ele [Aécio Neves], enquanto governador beneficia familiares com um acordo como este. O pai dele fez um contrato com o Estado enquanto ele era o chefe do Estado. É claro que é algo a se desconfiar", disse Correia ao jornal O Tempo.

O tucano mineiro teve nessa semana ainda a abertura de um inquérito no STF para investigar a sua interferência no processo de investigação do chamado mensalão mineiro. Acompanhe pelo Esquerda Diário as análises e desenvolvimentos dessas iniciativas de exposição e investigação das sujeiras de Aécio Neves. Vale suspeitar o porquê delas virem a tona frente à conjuntura do golpe e de um Judiciário que se fortalece durante esse processo, cultivando uma imagem de neutralidade à Lava-Jato, cujo objetivo seria, supostamente, o mero combate à corrupção, mas que está longe de ser a realidade.




Tópicos relacionados

Corrupção   /    Política

Comentários

Comentar