Sociedade

Doria segue fazendo do Metrô o maior foco de contágio da Covid-19 em SP

Mesmo com o crescente aumento dos casos pelo Brasil, sendo SP o estado mais atingido, o transporte público na região metropolitana continua a deixar a saúde dos seus usuários e trabalhadores em alto grau de risco de contágio ao formar aglomerações.

segunda-feira 4 de maio| Edição do dia

Hoje, as estações da linha 2 do Metrô de São Paulo, antes das 6h30, já formava aglomerações de usuários, o mesmo dentro dos vagões. Mesmo com a utlização de máscaras e todas medidas de proteção individual, é impossível que estes trabalhadores não se coloquem em extremo risco de contágio da Covid-19.

O transporte público paulista segue sendo um dos principais focos de contágio do coronavírus, e de nada adianta todas as medidas necessárias de proteção individual se os governos e empresários deixam à sorte a saúde de milhões de usuários do transporte público paulista.

Ações visando diminuir a circulação de pessoas, como o trânsito induzido na cidade de São Paulo por Covas, se mostra uma medida sem eficiência nenhuma com patrões que obrigam seus trabalhadores de áreas não essenciais a trabalhadorem, seja de carro, ônibus ou metrô.

O Esquerda Diário pontou 6 medidas emergenciais para que o Metrô não seja foco de aglomerações. Para isso, é preciso lutar contra a sua precarização.

1) Contratação imediata de metroviários para preenchimento e ampliação do quadro de funcionários para permitir que o Metrô possa operar na sua capacidade máxima (dentro das medidas de segurança) possibilitando colocar mais trens nas linhas para rodar, contratando mais operadores de trem e consequentemente de metroviários de estação para reduzir a lotação e garantir atendimento eficiente da população, sem que haja sobrecarga de trabalho mesmo no próximo período em que os afastamentos de saúde devem aumentar.

2) Para proteger os metroviários e a população: Garantia de toda cobertura de saúde para todos os funcionários, com igualdade de assistência entre efetivos, terceirizados e contratados, e garantia de teste gratuito para todos que tenham sintoma de gripe

- Garantia de licença remunerada a todos os trabalhadores do Metrô (efetivos e terceirizados) que tenham sintomas do coronavírus para que seja apurado devidamente, até que saia o resultado do teste, ou por 14 dias (período de incubação do vírus, que além de prevenir o contágio de demais pessoas, também é importante para o tratamento, com o descanso necessário, se alimentar bem, fortalecer a imunidade, etc). Assim como licença remunerada de todos os funcionários efetivos e terceirizados com mais de 65 anos.

- Licença remunerada aos trabalhadores pais e mães que tiverem seus filhos com sintomas do coronavírus para garantir assistência aos mesmos (efetivos e terceirizados) pelo período necessário para a recuperação seus filhos ou no caso de fechamento de escolas e creches.

- Proibição de demissão de trabalhadores terceirizados ou efetivos em caso de licenças ou suspensão/diminuição da prestação de algum serviço, com garantia de 100% do salário nesse período.

3) Contratação emergencial de mais trabalhadores da limpeza, e que sejam efetivos, para garantir o reforço da limpeza nos trens e estações (pega-mão e corrimão), para não ter sobrecarga de trabalho dos já contratados. Efetivação de todos os funcionários terceirizados, jovens cidadãos e aprendizes e contratados para terem emprego mais digno para atender a população com a qualidade necessária.

4) Disponibilizar em grande quantidade para todos os trabalhadores efetivos e terceirizados, em todos os locais de trabalho:

- Máscaras descartáveis

- Álcool em gel

- Sabonete e papel toalha

- Luvas descartáveis

5) Dar instrução necessária para metroviários e todo quadro de terceirizados e contratados atuar quando passageiros alertarem estar com suspeita do vírus (como fornecimento de máscaras aos usuários quando acharem necessário). Assim como cartazes informativos e novos P.A’s (anúncios sonoros) aos usuários com as medidas preventivas a serem tomadas

6) Criação de uma Comissão Independente de Higiene e Prevenção, com plenos poderes para investigar, consultar e questionar as medidas que são tomadas para a segurança dos trabalhadores e usuários.

Metrô/SP: Por um plano de emergência contra a pandemia imposto pela organização de base!




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Bruno Covas   /    Precarização do Transporte Público   /    João Doria   /    Sociedade   /    Transporte   /    Metrô   /    São Paulo (capital)

Comentários

Comentar