Sociedade

CRACOLÂNDIA

Dória retira à força moradores de pensão que acolhe usuários da cracolândia há 4 anos

“O Dória tá aumentando a dependência e colocando mais pessoas no lixo”, diz morador expulso de pensão. Cerca de 30 pessoas foram jogadas na rua sem perspectiva depois do fechamento da pensão por parte da gestão Dória.

sexta-feira 26 de janeiro| Edição do dia

Na manhã de sexta-feira (26), Dória retira à força moradores de pensão do centro de São Paulo. Projeto fazia parte de programa de moradia social para moradores de rua, voltados a usuários de crack, De Braços Abertos.

Reportagem do Jornalistas Livres mostra gestão Dória fechando à força pensão no centro da cidade de São Paulo. Localizado na R. Barão de Limeira, 612, o Hotel Santa Maria fazia parte do programa De Braços Abertos e tinha lugar para 31 moradores.

Os moradores estavam dormindo no momento em que a Guarda Municipal chegou mandando todos levantarem e irem embora. Durante o video, que pode ser visto no final da matéria, um dos moradores diz que “vai voltar ao fluxo”, em referência à cracolândia, dizendo que fazia parte do programa a quatro anos.

Outro morador da pensão, Narcísio Rodrigues, artesão, dá uma série de relatos sobre o ocorrido, dizendo que haviam sido avisados sobre o fechamento da moradia apenas na quarta-feira. Narcísio faz parte do programa De Braços Abertos há 4 anos e há 3 meses morava nesta pensão no centro. Em determinado momento da entrevista, sobre a decisão de Dória de acabar com o programa desde o ano passado, Narcísio afirma: “O Dória, em vez de acabar com a dependência, ele tá conseguindo aumentar a dependência e colocar mais pessoas no lixo e a gente não somos lixo, somos seres humanos de carne e osso. A gente queria o apoio de vocês.

Muitos dos moradores estão sem perspectiva de onde ir. Narcísio ainda disse que vão tentar levá-los para um CTA (Centro Temporário de Acolhimento), onde, segundo ele, “é pior do que um albergue”.

O supervisor de equipe da pensão, Marquinho Maia, que trabalhou durante um ano no local, afirmou que 95% das pessoas daqui vão voltar para o fluxo (cracolândia).

Vale lembrar que o coordenador do Programa Redenção, Arthur Guerra, em coletiva de imprensa hoje informou que o motivo da retirada destas pessoas foi porque "usavam drogas no hotel", quando na verdade o uso assistido de drogas é premissa da política de drogas de redução de danos e que essas pessoas tinham residência, portas abertas, atendimento técnico de 24 horas, sem hora pra entrar e sair, trabalhavam, tinham acesso à equipes de saúde e assistência todos os dias no hotel, e agora vão retornar ao fluxo da Cracolândia.

Essa medida de fechar moradias sociais como essas vem na esteira de uma série de ataques que Dória vem aplicando contra a população paulistana desde o início de seu mandato. Enquanto promove propagandas emotivas de crack nas redes sociais, Dória reprime usuários e acaba com moradias sociais, obrigando, muitas vezes, a moradores a voltarem às ruas.

No final do ano passado a prefeitura reprimiu novamente usuários na região da Cracolândia, no centro da cidade, em ação violenta e covarde.

Uma audiência pública está marcada para denunciar os abusos de estado na Cracolândia na próxima segunda-feira, 29, às 15h na defensoria (Rua Boa vista, 200 - SP).

Veja reportagem desta manhã feita pelos Jornalistas Livres:




Tópicos relacionados

Cracolândia   /    cracolândia   /    João Doria   /    Drogas   /    Repressão   /    Sociedade   /    São Paulo (capital)

Comentários

Comentar