Política

#28A | SAO PAULO

Doria quer furar greve com Uber, mas trabalhadores vão parar tudo e tumultuar avenidas

Não será com uber que irá nos deter. Pararemos tudo inclusive avenidas!

quinta-feira 27 de abril de 2017| Edição do dia

Conforme noticiado ontem o prefeito João Doria fez acordo com as empresas Uber e a 99 Taxi para que essas empresas transportem os trabalhadores municipais de graça para furar a greve. A primeira coisa a se pensar é qual o interesse dessas empresas em doar essas viagens, conforme a notícia, e qual o interesse de Doria em ser bem quisto entre os donos dessas empresas. O que podemos ter certeza é que nenhuma empresa faz doações de graça, nem que seja para aumentar a credibilidade de sua imagem.

Sabemos que as condições dos trabalhadores autônomos da empresa Uber são mais precárias que as empresas de táxi, pois esses trabalhadores precisam fazer muito mais viagens para conseguirem alcançar uma cota diária, bem como é sabido há uma rivalidade entre os taxistas e os uberistas devido à diferença de preços entre os serviços. De certo esses trabalhadores autônomos podem pagar a previdência à parte para se aposentarem e da mesma maneira sairão prejudicados caso o ataque da Reforma da Previdência passe, pois assim como os servidores municipais, terão que trabalhar até morrer para se aposentarem.

Doria claramente quer dividir a classe trabalhadora paulistana e continuar depreciando os trabalhadores que estão sendo protagonistas e linha de frente da luta contra as reformas de Temer, golpista apoiado por Doria e tantos outros empresários. Apoio popular que Temer não tem. É aprovado por somente 4% da população. Segundo o prefeito, não se deve fazer manifestação na hora do trabalho, ora que fique sabendo que é sim necessário parar a produção capitalista para mostrar a força da classe trabalhadora, afetar a economia do país e mostrar que quem manda são os trabalhadores! Doria não nos enganará! Fazemos um chamado a todos os trabalhadores dessas empresas que se recusem a atender ao chamado do prefeito sabendo que são parte da classe que está sendo prejudicada por estes herdeiros milionários.

É bom que o prefeito também saiba que desde os bairros os trabalhadores organizados em comitês estão chamando atos, para travarem avenidas e impedirem que o funcionamento da cidade. É preciso parar tudo para defendere nossos direitos. Desde a Zona Norte os professores estão chamando um ato em frente à escola Derville Alegretti, na Rua Voluntários da Pátria, ao lado da estação de metrô Portugesa Tietê. Desde a Zona Oeste o comitê está chamando um ato em frente ao portão 1 da USP, as 6h da manhã, na Rua Alvarenga.Além disso o MTST está chamando diversos atos locais pela cidade. Este é apenas o primeiro dia, pois é fundamental exigir das centrais sindicais não somente um dia de luta ativo, como também um plano de luta concreto que vá para além do dia 28. Precisamos de um plano de luta com novas paralisações, manifestações, cortes de rua, piquetes e todo tipo de ação que possa efetivamente preparar uma greve geral até derrubar Temer e todas as reformas.

Não será com uber que irá nos deter. Pararemos tudo!




Tópicos relacionados

#28A   /    João Doria   /    São Paulo (capital)   /    Política

Comentários

Comentar