Cultura

EM DEFESA DA ARTE DE RUA

Dória manda policia na casa de artista que pintou "Dória" na 23 de Maio.

Dória, o prefeito "cinza" de São Paulo agora vai atrás de Iaco Viana (artista que pixou Dória no recém apagado maior mural grafitado da América Latina). Trata-se de uma verdadeira guerra declarada por Dória contra a arte de rua de São Paulo.

quarta-feira 22 de fevereiro de 2017| Edição do dia

O mural da 23 de Maio e a prisão de Mauro Neri de longe são suficientes para a política higienista e repressora da arte de Dória. Sua nova cruzada contra a arte de rua passa por mandar o DEIC (Departamento Estadual de Investigações Criminais) na casa de Iaco Viana para interrogá-lo.

Segundo o artista, ele foi expulso de sua casa por conta da presença da Polícia Civil, que o procuravam para depor no DEIC, órgão do governo responsável pela investigação de crimes graves (roubo de banco, lavagem de dinheiro, faccções criminosas).

Percebe-se a tamanha desproporção do caso, que configura uma verdadeira perseguição aos artistas de rua de São Paulo, uma guerra declarada por Dória à arte de rua na cidade.

O artista logo depois de depor foi liberado, por que não foi enquadrado em nenhum artigo que Dória levanta para os pixadores ou grafiteiros. O artista foi obrigado a mudar de casa como consequência da perseguição do prefeito.

A ação de Doria contra a arte mostra o autoritarismo com a cultura de rua e periférica que existe nos grandes centros urbanos, mas que também está ligada com um projeto de cidade que pode ser vendida e privatizada para o lucro dos empresários de ternos cinzas de multinacionais, não só acabando com a arte, mas com o saneamento, o transporte, a educação, a saúde. Precarizando cada vez mais a vida dos trabalhadores.

Com informações do portal Ponte




Tópicos relacionados

Arte de Rua   /    Cultura

Comentários

Comentar