JOÃO DORIA

Doria ganha protesto em Natal, é rejeitado em Teresina, depois da ovada e de negar merenda

quarta-feira 16 de agosto| Edição do dia

A série de manifestações de repúdio ao prefeito-empresário tucano, privatista e higienista, João Doria Jr., não param! Começou à uma semana, em Salvador, quando o prefeito recebeu uma bela ovada quando foi receber seu amigo prefeito ACM Neto. Desde o final da última semana, uma denúncia da professora Marcela Campos de que o prefeito estaria negando merenda aos estudantes das escolas de São Paulo gerou muita repercussão nas redes, de modo que o prefeito teve que "se explicar", reiterando a denuncia contra ele.

Nesta quarta-feira, 16, prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), foi recebido em Natal sob protestos. Um grupo de manifestantes entrou no Shopping Midway Mall, na zona leste da capital do Rio Grande do Norte, onde está sediado o Teatro Riachuelo, segurando cartazes e gritando palavras de ordem contra o prefeito paulistano.

Também é alvo dos manifestantes o empresário Flávio Rocha, executivo do Grupo Guararapes, dono do shopping e do teatro onde ocorre a cerimônia de entrega de Título de Cidadão Natalense a João Doria. Rocha receberá a Medalha Frei Miguelinho, maior honraria concedida pela Câmara Municipal do Natal.

O título a ser recebido por Doria foi proposto pelo presidente afastado da Câmara Municipal, vereador Raniere Barbosa. O parlamentar é acusado de desviar cerca de R$ 22 milhões da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsur) por meio de superfaturamento de contratos.

O governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), foi convidado a participar da cerimônia, mas, em decorrência da Operação Anteros, desmarcou presença. A Operação foi deflagrada nesta terça-feira, 15, pela Polícia Federal e Procuradoria Geral da República. O governador, cujo apartamento foi alvo de busca e apreensão pela Polícia Federal, é apontado como principal beneficiário de esquema de desvio de dinheiro da Assembleia Legislativa, enquanto presidiu a Casa de 2003 a 2010, na ordem de R$ 5,5 milhões.

Além disso, o prefeito iria receber o título de cidadão teresinense, por supostamente ter "relevantes serviços prestados ao país", proposta que foi rejeitada ontem pela Câmara de Vereadores. Possivelmente, o rechaço provocado em torno do escândalo da merenda em São Paulo tenha pesado na decisão. João Doria que diz há meses não ter intenção de disputar 2018, mas age em prol de promover a sua figura, tem enfrentado dias de diversas manifestações de rechaço e denúncias, como sempre procuramos trazer no Esquerda Diário ao seu projeto privatista e higienista na capital paulista.




Tópicos relacionados

higienização   /    João Doria   /    Privatização

Comentários

Comentar