Política

DORIA E ELEIÇÕES 2018

Doria diz que Lula preso seria um "erro histórico" que iria "incendiar o país"

O prefeito tucano se posicionou contrário à prisão de Lula em meio ao processo eleitoral, defendeu que a "Justiça faça Justiça" e comentou o cenário que se desenha para a disputa presidencial em 2018.

quinta-feira 5 de outubro| Edição do dia

Na última quarta-feira, o prefeito de São Paulo João Doria (PSDB), em almoço com empresários franceses e brasileiros, afirmou que uma possível prisão do ex-presidente Lula em meio à corrida eleitoral seria um "erro histórico", "a pior hipótese à Justiça".

Para Doria, "Mesmo que Lula não seja candidato, ele vai ter um preposto e serão dois a fazer campanha. Se prenderem o Lula, pior ainda, porque ele vai se vitimizar e aí incendeia o país". Ele afirmou também que o processo eleitoral já começou, e que seria "democraticamente aceitável" que Lula pudesse fazer a campanha e seguir até outubro, deixando as possíveis sentenças dos processos em que Lula está sendo indiciado para depois das eleições. Para Doria, é preciso que se "tenha sensibilidade também de não emitir uma sentença durante o processo eleitoral". E completou: "Creio que para o país seria arriscado ter uma liderança como a do ex-presidente preso. Poderia criar uma conturbação muito grande."

Na conversa com os empresários, o prefeito, que disputa com o governador Geraldo Alckmin a candidatura à presidência pelo PSDB, comentou sobre a candidatura de Jair Bolsonaro. Para ele, Bolsonaro teria muita dificuldade de se sustentar nas primeiras posições das pesquisas com a campanha eleitoral aberta e o candidato aparecendo na mídia. A tendência, segundo Doria, é que Bolsonaro "desidrate" pelas suas ideias, cuja fragilidade "tende a desmotivar parte desse público que vota nele".

Sobre o cenário para 2018, o prefeito analisa que, caso haja uma fragmentação de candidaturas de centro, os extremos do espectro político tenderão a se fortalecer tanto à direita quanto à esquerda. O mais provável, no entanto, é que a esquerda saia mais beneficiada, na avaliação de Doria, que julga que "O sentimento lulo-petista tem mais chances de cativar parte do eleitorado, principalmente as pessoas mais pobres nas regiões Norte e Nordeste, que tem menor quantidade de informação, de debate e que ainda tem grau de confiabilidade surpreendemente elevado num personagem como esse [Lula], que tem nove indiciamentos criminais".




Tópicos relacionados

Eleições 2018   /    João Doria   /    Lula   /    Política

Comentários

Comentar