Política

Trabalho Escravo

Dono da Riachuelo acusado de coagir procuradora ao defender trabalho escravo em sua empresa

quarta-feira 15 de novembro| Edição do dia

Após ser denunciado por utilizar o trabalho semi escravo em suas empresas, dono da Riachuelo coagiu procuradora e agora é acusado judicialmente por coação, calúnia e injúria contra uma procuradora do Trabalho.

Isso porque o Ministério Público do Trabalho do Rio Grande do Norte ajuizou ação civil pública pedindo indenização de R$37 milhões contra a Guararapes, empresa que controla a Riachuelo. A cobrança da indenização foi motivada pela existência do trabalho semi escravo nas empresas terceirizadas da Riachuelo.

Não suportando uma decisão mínima que vai contra sua sede de lucro com base no sangue e suor de centenas de trabalhadores, o empresário Flavio Rocha vociferou nas redes contra a procuradora Ileana Mousinho, que foi agredida verbalmente sendo chamada de "exterminadora de empregos" e "câncer".

Foram encontradas nas empresas de Flavio Rocha trabalhadores terceirizados executando tarefas das atividades fins da empresa e recebendo salários inferiores e sem os mesmos direitos dos trabalhadores contratados de forma direta.

Esse empresário e capitalista disse querer colocar na prática imediatamente a reforma trabalhista, apenas para poder fazer dentro das leis golpistas o que já faz há anos: a prática do trabalho semi escravo no ramo têxtil.

Esses são os empresários e capitalistas que querem acabar com os direitos dos trabalhadores para poder seguir com suas vidas luxuosas e mesquinhas, explorando até a última gota de sangue da maioria dos trabalhadores para garantir seus lucros bilionários.




Tópicos relacionados

Trabalho Escravo   /    Reforma Trabalhista   /    Trabalho Precário   /    Direitos Trabalhistas   /    Política

Comentários

Comentar