CRIME ELEITORAL

Dono da Havan é um dos empresários milionários que frauda eleições financiando Bolsonaro

Luciano Hang, empresário dono da Havan, conhecido por crimes de lavagem de dinheiro e evasão fiscal, é um dos empresários que estabeleceu contratos ilegais com agências de disparo de mensagens irregulares pelo WhatsApp em campanha pelo Bolsonaro, no valor de R$ 12 milhões.

quinta-feira 18 de outubro| Edição do dia

O empresário das lojas Havan esteve no começo deste mês envolvido em escândalos após divulgação de vídeos em que ele intimida seus funcionários a votarem contra a “volta do comunismo”, obrigando que vistam uma camiseta com os dizeres “O Brasil que queremos depende de nós”, além de obrigá-los a cantar o hino nacional e ovacionar palavras de ordem em apoio ao candidato reacionário e autoritário da extrema-direta, Jair Bolsonaro.

O reacionário patrão foi processado após a chegada de 47 denúncias ao Ministério Público.

Em agosto deste ano, o empresário pró-Bolsonaro também já havia sido condenado pelo TSE pela contratação irregular de impulsionamento de propaganda eleitoral no Facebook.

Ao ter sido questionado, Hang afirma que "não sabe o que é" disparo em massa pelo WhatsApp, e que por ter 2.000 amigos no Facebook "não tem a necessidade" desse tipo de serviço de impulsionamento.

Hang se faz se desentendido agora, entretanto, soube muito bem o que fizera quando estava a chantagear e ameaçar 60 mil funcionários para que votasse no Bolsonaro.

Através da coação e assédio, Luciano Hang questionou em um de seus vídeos: “como pode alguns poucos fazerem mal para tantos?”, a fim de defender uma política ultraliberal, em que empresários do mundo todo possam vir investir no Brasil, melhorando a economia e aumentando o poder de consumo, como prometido por Bolsonaro.

É completamente repugnante este método de Bolsonaro e seus aliados de receber dinheiro ilegalmente para propagandear fake news pelo WhatsApp e desta forma propagar ódio indiscriminado pelos quatro cantos do país, assim como também é execrável atitudes de patrões que se utilizam do medo da miséria e do desemprego dos trabalhadores para impor que os trabalhadores votem na podre candidatura de Jair Bolsonaro. Repudiamos esta candidatura e esta rede de empresários, latifundiários e banqueiros que se unem em torno da figura de Bolsonaro para atacar os trabalhadores e descarregar a crise em nossas costas. Precisamos de uma resposta a altura, com comitês de base espalhados como formigueiros por todo o país para articular uma luta contra Bolsonaro, o avanço da extrema-direita e os golpistas para fazer com que seja os capitalistas os que paguem pela crise.




Tópicos relacionados

Lojas Havan    /    Eleições 2018   /    Bolsonaro

Comentários

Comentar