Política

Dono da Havan comemora condenação de Lula e coleciona processos trabalhistas

Luciano Hang, dono da rede nacional de lojas Havan, havia prometido que soltaria 13 minutos de fogos caso Lula fosse condenado em 2ª instância, e assim o fez, enquanto dizia que a condenação mostra que "o Brasil é um país de trabalhadores e não de malandros". Uma rápida busca do nome da empresa no site JusBrasil resulta em quase uma centena de processos trabalhistas de todo tipo.

Leticia Parks

São Paulo

segunda-feira 29 de janeiro| Edição do dia

Luciano Hang, dono da rede nacional de lojas Havan, havia prometido que soltaria 13 minutos de fogos caso Lula fosse condenado em 2ª instância, e assim o fez. Em vídeo publicado pelo Jornal dos Bairros (Florianópolis-SC) na página do Facebook, o pretendente a vice-presidente de Bolsonaro aparece logo após a queima de fogos alegando que "esse Brasil é de trabalhadores, não é de malandro".

Mas a verdade é que o presidente da Havan está longe de defender um país de trabalhadores. Uma rápida busca do nome da empresa no site JusBrasil resulta em quase uma centena de processos trabalhistas de todo tipo. Seu principal aliado político é Bolsonaro, já conhecido e odiado por todas e todos que nutrem algum respeito pela dignidade humana.

Esse salto autoritário que significou a condenação de Lula e o resultante veto ao direito da população de decidir em quem votar, é comprovadamento um avanço da direita quando vemos a celebração que gente como Hang faz da decisão e do autoritarismo do judiciário.

Defender um Brasil de trabalhadores e sem malandros significa, portanto, se livrar de gente malandra como Luciano Hang e lutar para que os trabalhadores tenham de fato direito de decidir em quem votar.




Tópicos relacionados

Operação Lava-Jato   /    Poder Judiciário   /    Política

Comentários

Comentar