Política

IMPEACHMENT

Dois pesos e duas medidas: Lewandoski nega questão de ordem da defesa de Dilma

Na manhã desta quinta (25) no julgamento do processo final de impeachment da presidenta Dilma, Ricardo Lewandowski nega pedido de suspensão do processo, já que o Congresso Nacional não havia analisado as contas de 2015 que baseiam o pedido de saída da presidenta.

quinta-feira 25 de agosto| Edição do dia

O presidente golpista do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, negou o pedido de suspensão apresentado pela defesa de Dilma, na qual questionava que o processo de afastamento da presidenta se dava pelas análise das contas de 2015, e que essa não havia sido feita pelo Congresso Nacional.

Lewandowski argumentou que havia julgado casos semelhantes em relação as contas públicas municipais, que caso um prefeito tivesse suas contas julgadas de forma negativa, ou mesmo reprovadas, este se enquadraria na lei Ficha Limpa, entretanto, para o golpista não cabe ao judiciário arbitrar sobre as contas públicas municipais, e sim o legislativo. Ou seja, para consumar o golpe institucional é uma lei, e para os municípios a lei é outra.

O PT se utilizar de julgamentos semelhantes numa tentativa desesperada de barrar o golpe institucional, demonstra que sua lógica de atuação ainda segue a de abrir mão de colocar suas forças nas ruas, contra essa medida reacionária da burguesia e do imperialismo. Expressa que mantém confiança no partido judiciário, que mesmo sem votação das contas de 2015 no Congresso segue o processo de impeachment a todo vapor.

Acompanhe o julgamento final do Impeachment aqui.




Tópicos relacionados

"Partido Judiciário"   /    PT   /    Impeachment   /    Política

Comentários

Comentar