Cultura

CASA MARX RJ

Documentário “Não tem arrego”, sobre a greve dos garis de 2014, estreia na Casa Marx RJ

No dia da inauguração Casa Marx – Lapa, em 17 de março, será exibido pela primeira vez o documentário “Não tem arrego”, de Juan Pablo Diaz Vio, que retrata a histórica greve dos garis da Comlurb que fez tremer o país e derrotou o governo e a burocracia sindical.

quinta-feira 1º de março| Edição do dia

Se a Casa Marx será inaugurada no dia 17 de março, no entanto, a história de sua construção já é mais antiga do que pode parecer. A Casa faz parte de uma nova etapa da construção do Esquerda Diário, uma mídia independente dos trabalhadores e a serviço das suas lutas e do combate ao capitalismo. E o próprio Esquerda Diário, que entrou no ar em março de 2015, tem sua pré-história no Rio.

A greve dos garis da Comlurb de 2014, um episódio que marcou não apenas o Rio de Janeiro, mas que fez ecoar pelo país inteiro seu grito de “não tem arrego” e seu exemplo de como enfrentar patrões e burocratas que controlam os sindicatos, sem dúvida é um momento fundamental também para nós.

Os garis haviam visto a juventude derrotar governos do PT, PSDB e PMDB nas jornadas de junho de 2013, derrubando aumentos das passagens e colocando questionamentos que iam da falta de direitos sociais, passando pela violência policial e incluindo o próprio regime político brasileiro. Foi um alento para que esse setor, um enorme batalhão operário negro na segunda maior capital do país, começasse a organizar cuidadosamente sua própria insurreição contra a exploração patronal.

E, em meio ao carnaval de 2014, eclodiu um conflito que deixaria uma marca profunda. Enfrentando não apenas o governo municipal de Eduardo Paes e as gerências da Comlurb, mas também a própria direção traidora de seu sindicato que fez de tudo para acabar com a greve, os garis tomaram as ruas e cruzaram os braços. Demissões e intimidações não os calaram, que responderam a cada novo ataque com o grito de guerra que se tornaria palavra de ordem de cada greve dali para frente: “não tem arrego”.

Juan Pablo Diaz, membro da equipe do Esquerda Diário e militante do Movimento Revolucionário de Trabalhadores (MRT), esteve, junto com seus companheiros, lado a lado dos garis nessa luta, acompanhando cada dia, cada movimento, cada ataque e resistência. E, junto a ele, sua inseparável câmera. Disso, e da relação de companheirismo com os garis que nasceu desse apoio determinado, veio todo o rico material que Juan trabalhou para criar o documentário “Não tem arrego”. Misturando as imagens gravadas no calor do momento com depoimentos atuais dos lutadores que foram linha de frente da greve, o documentário pretende ser um retrato vivo da luta de classes, repleto de importantes lições para todo trabalhador consciente que deseje enfrentar a exploração capitalista.

Como uma homenagem a essa luta, e aos combates que a classe trabalhadora trava contra a exploração, em particular os negros, que enfrentam a cruel combinação com a opressão racista, o documentário sobre a greve dos garis será lançado junto com a Casa Marx. Nada mais justo: a própria casa foi criada com a intenção de ser mais uma ferramenta para fortalecer lutas como essa, articulá-las, congrega-las em uma luta profunda contra o sistema que gera toda essa exploração: o capitalismo.

“Não tem arrego” é mais uma peça nesse nosso arsenal de luta. É uma forma de manter viva e transmitir à juventude e aos trabalhadores as lições, os aprendizados e a tradição. Porque não podemos a cada nova luta partir do zero: precisamos nos apoiar na incrível herança legada por séculos de luta. O marxismo, no campo teórico, é o maior legado nosso. Juan, como militante trotskista do MRT, e como um jornalista a serviço da classe trabalhadora, traz para nós esse documentário para ser mais um ponto de apoio para nós. É um orgulho poder exibí-lo na inauguração da Casa Marx.

Veja trailler:

Confirme sua presença no Lançamento da Casa Marx na Lapa, sede do Esquerda Diário no RJ

foto Midia Ninja




Tópicos relacionados

Casa Marx   /    Documentário   /    Marxismo   /    Rio de Janeiro   /    Cultura   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar