Sociedade

QUEIMADAS NA AMAZÔNIA

Dobra o número de crianças internadas na Amazônia por conta das queimadas

quinta-feira 3 de outubro| Edição do dia

Em comparação com áreas que não existem focos de incêndio na região amazônica, com os lugares onde existem focos, foram registrados o dobro de internações de crianças de até 10 anos com pneumonia, asma, alergia e bronquite, entre os meses de maio e junho, de acordo com um levantamento da Fiocruz. São cerca de 2500 internações a mais, registradas em cerca de 100 municípios da Amazônia legal.

No período de seca, entre maio e outubro, o "arco do desmatamento" costuma ter um aumento das queimadas, fazendo os casos de problemas respiratórios crescem, porém no governo Bolsonaro se registrou um aumento muito superior de internações do que a média histórica nesse período na região.

As crianças são mais suscetíveis a exposição da fumaça provocada pelas queimadas, mas adultos com problemas respiratórios e cardíacos também podem estar sofrendo com o aumento de focos de incêndio na região. Segundo os especialistas da Fiocruz, o custo dessas internações para o SUS, giram em torno de 1,5 milhões com ocupação de 9750 leitos dia.

Esse cenário é mais um fator de desalento provocado pela sede de lucro do agronegócio e do latifúndio, incentivados pelo governo Bolsonaro e sua politica estímulo ao desmatamento. Vendem um modelo destrutivo de "progresso" para avançar nas terras indígenas e de preservação, atendendo aos interesses do latifúndio e do agronegócio, que não tem limites para maximizarem suas taxas de lucro, sob o custo de muita exploração do trabalho e destruição da natureza.

A ecologia por fora da luta dos trabalhadores, é só um fantoche nas mãos dos grandes monopólios nacionais e internacionais. É preciso colocar nas mãos de quem produz a riqueza nacional a tarefa de preservar o meio ambiente, nós trabalhadores precisamos decidir o futuro de nossos filhos e netos, não um punhado de capitalistas.

O capitalismo sustentável não existe. O capitalismo é insustentável e predatório, sua engrenagem não permite a racionalização da utilização dos nossos recursos naturais. Para um capitalista o lucro vem em primeiro, segundo e terceiro lugar. A preservação do meio ambiente não passa de um marketing para agregar valor a sua marca. Dentro desse sistema vamos destruir as condições do planeta que permitem nossa existência. O planeta pode até ficar, mas nós não. Se o Capitalismo destrói o planeta, destruamos o Capitalismo.




Tópicos relacionados

Amazônia   /    saúde pública   /    Floresta amazônica   /    Sociedade   /    Meio Ambiente   /    Saúde

Comentários

Comentar