Política

POLÍTICA

Ditadura mafiosa: Queiroz guardava pôster do AI-5 e bonecos de mafioso em seu esconderijo

O que passa na cabeça do “cidadão de bem”.

quinta-feira 18 de junho| Edição do dia

Na prisão de Fabrício Queiroz, um pôster pedindo a volta do AI-5 e dois bonecos representando o personagem mafioso Tony Montana, do filme Scarface, foram encontrados na casa pertencente ao advogado da família Bolsonaro, Frederick Wassef.

A associação curiosa, entre um traficante de drogas mafioso e assassino, e o Ato Institucional número 5 que serviu para censurar, perseguir e prender opositores da ditadura militar brasileira, é bastante sugestiva acerca das pretensões de Fabrício Queiroz, assim como da família Bolsonaro.

Defensores da volta da ditadura, os Bolsonaro espalham mentiras de que no período não haveria corrupção. Ao contrário do que dizem, o período foi o mais corrupto da história do país. Assim como esconder o paradeiro de Queiroz serve para não trazer à tona as negociações ocorridas no gabinete de Flávio Bolsonaro, esconder a corrupção na ditadura tem como único intuito favorecer generais e políticos corruptos que se valem da repressão para calar as denúncias da corrupção ocorrida no período.

Leia também: Conheça 8 políticos corruptos que a ditadura brasileira deixou como herança

O "Tony Montana" da política brasileira, Jair Bolsonaro se enfrenta hoje com uma disputa com o STF, na qual cada lado avança com seu autoritarismo peculiar. O clima nacional favorece arroubos antidemocráticos, avançando sobre direitos elementares e mínimos, lançando mão da Lei de Segurança Nacional – herança da ditadura – e da manipulação de números em plena pandemia, de um lado, e de outro do avanço do judiciário que vem avançando como árbitro da política e, igualmente, se arroga poderes autoritários que têm sido aprimorados desde a Lava Jato.

Leia mais: 10 escândalos de corrupção da ditadura militar, abafados pelas Forças Armadas




Tópicos relacionados

Fabrício Queiroz   /    Flavio Bolsonaro   /    Crime Organizado   /    Jair Bolsonaro   /    Ditadura militar   /    Política

Comentários

Comentar