Internacional

ESTADOS UNIDOS

Discurso de Joe Biden: sem anúncios e um apelo vazio à unidade

Joe Biden foi empossado como 46º presidente dos Estados Unidos. Em seu discurso, ele falou muito pouco sobre política ou a situação enfrentada por milhões de pessoas. Em vez disso, ele falou em termos vagos sobre a necessidade de "democracia" e "unidade" ao iniciar sua tentativa de restaurar a fé nas instituições americanas.

quarta-feira 20 de janeiro| Edição do dia

Pouco depois que os Estados Unidos alcançaram 400.000 mortes por coronavírus e foram abalados pela tomada do Capitólio pela extrema direita, Joe Biden assumiu como presidente. Em uma cena distópica, políticos do Partido Democrata, um padre e celebridades subiram ao palco em frente a um campo sem plateia, repleto de bandeiras em uma Washington D.C. altamente militarizada, que passou a ser conhecida como "a fortaleza D.C." Todos usavam máscaras.

A posse de Biden ocorre em um contexto em que milhões de pessoas esperam por mudanças e querem acabar com os problemas que assolam a classe trabalhadora e os oprimidos nos Estados Unidos. Desde a erradicação da violência policial racista até a conquista de direitos básicos como sindicatos, um salário mínimo, moradia acessível e o chamado Medicare for all (atendimento médico para todos, NdT), milhões depositaram suas esperanças de reformas progressivas em Biden. O discurso de unidade tentou esconder o fato de que essas expectativas colidem com os interesses do grande capital e com o trumpismo, que, apesar de deixar Washington, ainda conta com significativo apoio público.

Pela primeira vez em 150 anos, o presidente cessante recusou-se a comparecer à posse. No início desta manhã, Donald e Melania Trump voaram para a Flórida no avião presidencial Air Force One. O ex-vice-presidente Mike Pence, no entanto, compareceu à inauguração como a última etapa na reabilitação de sua imagem e sua aceitação no establishment político.

A cerimônia claramente procurou destacar a diversidade racial e agradar, embora superficialmente, os maiores movimentos dos últimos quatro anos, o Black Lives Matter e Women’s March (Marcha das Mulheres, NdT). Kamala Harris, a primeira mulher afro-americana a ocupar a vice-presidência, prestou juramento perante Sonya Sotomayor, a primeira latina na Suprema Corte.

Apesar das tentativas de manter a continuidade com as cerimônias anteriores, nada na cena estava normal. Todo o show consistiu em apoiar a imagem da democracia americana e suas instituições, que foram abaladas por protestos da direita há apenas algumas semanas.

Desde então, Donald Trump e a extrema direita foram disciplinados e censurados tanto pelas grandes empresas quanto pela classe política. Ontem, Trump fez um discurso concedendo a eleição e desejando boa sorte a Biden - mas também prometendo que "voltará de alguma forma". Dizem que Trump está tentando organizar seu próprio partido político. Embora a extrema direita tenha sido disciplinada no curto prazo, não irão embora e tudo indica que Biden sabe disso.

Biden tem que caminhar sobre uma linha tênue entre uma extrema direita radicalizada, de um lado, e uma base cada vez mais progressista do Partido Democrata, do outro. Nos dias que antecederam a posse, seus comentários incluíram algumas políticas e promessas progressistas. Ele deve emitir ordens executivas para interromper a construção do muro de fronteira e acabar com a proibição de viagens em alguns países muçulmanos, e prometeu uma ampla resposta da COVID, incluindo a duplicação do salário mínimo federal, um programa abrangente de vacinação, e cheques de $1.400 para todos os que sejam aptos. As duas primeiras promessas são simbólicas e facilmente alcançáveis, as três últimas certamente serão resistidas pelo sistema.

Mas essas políticas estavam ausentes do discurso de inauguração. Na verdade, poderia-se dizer que a política estava ausente. Foi um discurso vazio ... completamente desprovido de um roteiro de como será sua presidência. Foi um discurso construído em torno da glorificação da democracia americana e de apelos vazios à unidade. Seu discurso teve como único objetivo apagar os incêndios que se desencadearam na política do país. Mas, dada a extensão da pandemia e da crise econômica, isso é um tapa na cara das pessoas que estão lutando.

Democracia vazia e unidade

A palavra que soou mais forte na cerimônia foi "democracia", que segundo eles foi testada e abalada por Donald Trump. Na verdade, Joe Biden iniciou seu discurso dizendo: "Aprendemos novamente que a democracia é preciosa. A democracia é frágil. E neste momento, meus amigos, a democracia prevaleceu." Cada orador falou da "força" da democracia americana - bem como da necessidade de fortalecê-la, apreciá-la e revigorá-la na presidência de Biden. A ideia central era o suposto retorno à normalidade.

Em seu discurso, Biden pediu o fim da "guerra incivil". Ele continuou, "a política não precisa ser um fogo ardente", conclamando os americanos a se unirem apesar das divergências. Ele prometeu ser um presidente para todos e ouvir a todos, incluindo os eleitores de Trump. Essa unidade, para Biden, é baseada na história e na identidade americana. Nem é preciso dizer que, em um país profundamente dividido e polarizado, a unidade nada mais é do que uma quimera.

Ironicamente, Biden disse que "Para superar esses desafios, restaurar a alma e garantir o futuro da América, é preciso muito mais do que palavras. Requer o mais evasivo de todas as coisas em uma democracia: unidade." Mas, na verdade, palavras eram a única coisa que ele tinha a oferecer. Muitos presidentes usam seu discurso inaugural para sinalizar as políticas que pretendem aprovar, Biden não. Ele mencionou a pandemia apenas quatro vezes em seu discurso; Unidade e democracia, entretanto, foram mencionadas 14 e 15 vezes, respectivamente.

“Eu entendo que muitos de meus compatriotas olham para o futuro com medo e temor. Eu entendo que eles se preocupam com seus empregos. Mas a resposta não é se voltar para dentro, se retirar para facções concorrentes ... Podemos fazer isso se abrirmos nossas almas em vez de endurecer nossos corações." Abrir nossas almas não paga aluguel nem coloca comida na mesa.

A falta de conteúdo do discurso foi um cálculo intencional: Biden e sua equipe sabem que terão que enfrentar sua base para satisfazer Wall Street. Ao mudar o foco da atenção da política para noções abstratas, Biden usa o bipartidarismo como uma cobertura para suas futuras traições de suas (já sombrias) promessas de campanha.

Outro objetivo claro dessa "unidade" e "democracia" é restaurar a hegemonia dos EUA no exterior; projetar a imagem de uma América forte e capaz, pronta para liderar o mundo mais uma vez. Nesta área, Biden e Trump concordam: as prioridades são disciplinar a China e alinhar os aliados dos EUA para sustentar a hegemonia imperialista americana. Biden já anunciou que reconhecerá Juan Guaidó como o líder da Venezuela e está assumindo o comando no momento em que os EUA se preparam para reprimir a caravana de migrantes de Honduras.

A Democracia nada democrática dos EUA

Esta glorificação da "democracia" americana é risível e uma ilusão perigosa para a classe trabalhadora e os oprimidos. Como vimos nos últimos meses, suas instituições, desde o Colégio Eleitoral, o Supremo Tribunal Federal e o Senado, são completamente antidemocráticas por definição. Biden não está interessado em criar um sistema mais democrático, mas sim em relegitimar as instituições que foram manchadas pelos anos Trump. Enquadrando os últimos meses como um triunfo da democracia sobre a extrema direita, ele pinta Trump como uma anomalia e se propõe a reforçar o poder repressivo do estado em seus ataques contra a extrema direita.

O conceito de unidade também está sendo implantado intencionalmente e cinicamente. Biden certamente pedirá unidade contra políticas "divisionistas" como a reivindicação de nossos direitos básicos: o direito à saúde ou a um ambiente limpo para se viver. É uma palavra-chave para Biden que busca o "bipartidarismo" - um Partido Democrata que, apesar de ter os votos, dará as costas às demandas progressistas. Busca um consenso bipartidário, o que certamente significa que qualquer concessão que Biden ofereça será devido à grande pressão exercida por sua base social que, no ano passado, mostrou vontade de se mobilizar nas ruas.

Uma unidade fraca

O hiperfoco na democracia e na unidade também revela o quão fraca é a presidência de Biden. Para um país em crise econômica, política e de sanitária, Joe Biden ofereceu palavras vazias. Por quê? Porque ele está tentando desesperadamente manter a coalizão anti-Trump que o trouxe à presidência e se expandiu conforme Trump se tornava mais errático e se inclinava para a supremacia branca conspiratória de extrema direita.

Biden foi escolhido por uma ampla coalizão que incluiu todos, desde o ex-presidente republicano George W. Bush a Bernie Sanders e a liderança dos Socialistas Democratas da América (DSA). Ele era um queridinho de Wall Street, apesar de certa preocupação capitalista com gastos excessivos. Ele foi capaz de tecer essa coalizão com a única promessa em exibição hoje: que ela legitimaria as instituições, acalmaria o terreno político tumultuado e traria estabilidade para que o capitalismo e o imperialismo pudessem continuar a funcionar normalmente. Sua promessa central: nada mudará fundamentalmente.

O problema é que milhões de pessoas querem uma mudança; na verdade, milhões de pessoas precisam de uma mudança devido à crise econômica e à pandemia. Quase meio milhão já perdeu a vida. E essas massas podem entrar em conflito com o governo Biden.

Biden está tentando usar a cenoura da unidade e o bastão dos ataques da extrema direita à democracia para manter sua coalizão. Mas as rachaduras já começam a aparecer. Biden prometeu US$ 2.000 a todos os americanos, mas fornecerá apenas US$ 1.400. Isso irritou muitos de seus eleitores progressistas e atraiu críticas da ala progressista do Partido Democrata. Por outro lado, o The Wall Street Journal criticou a medida, dizendo que estava gastando muito. Isso é um indicativo das pressões sobre Biden como presidente.

Claro, nas próximas semanas e meses ele pode fazer algumas concessões, mas como ele demonstrou hoje, ele não é alguém que pretende fazer grandes reformas. Se quisermos mudança, teremos que lutar por ela. Biden e os democratas querem que paremos e confiemos que, por terem assumido o poder, tudo ficará bem. Mas tanto a história como o momento presente mostram que isso é uma mentira. Não podemos confiar que esta parte do capital protegerá a classe trabalhadora mais do que podemos confiar na outra parte do capital. Devemos nos organizar e lutar tanto por nossas demandas quanto contra os próximos ataques de Biden.

A frágil unidade burguesa que foi criada com o assalto ao Capitólio, na verdade, apresenta uma oportunidade para a classe trabalhadora e os oprimidos. Milhões de pessoas estão famintas por mudança, e isso pode encorajar a classe trabalhadora e o movimento anti-racista a não se sentar e esperar que os políticos progressistas negociem com o establishment e Wall Street por seus direitos ou que lutem efetivamente contra a extrema direita e decidam conquistá-los. as ruas. A esquerda deve ser um fator na reorganização da classe trabalhadora e no ressurgimento do movimento Black Lives Matter; É hora de promover um grande movimento nacional que tome o caminho da mobilização e unifique todas as lutas, que todas as reclamações e dificuldades impostas à classe trabalhadora, negros, pessoas de cor, imigrantes, mulheres, comunidade LGBTQ + torne-se um único grito para conquistar todas as nossas demandas. Este é um primeiro passo para criar as condições para uma luta que pode ir longe, uma luta que visa desafiar o imperialismo bipartidário e desenraizar o sistema podre.




Tópicos relacionados

Eleições EUA 2020   /    Eleições Estados Unidos 2020   /    Democratas   /    Eleições 2020   /    Partido Democrata   /    Governo Biden   /    Donald Trump   /    Eleições Estados Unidos   /    Internacional

Comentários

Comentar