Direito ao aborto: Cristina Kirchner falou e pediu "para não ficar com raiva" da Igreja

A ex-presidente confirmou que a maioria de seu bloco votaria a favor do direito ao aborto. Durante seus dois governos esse direito não foi abordado no Congresso.

terça-feira 7 de agosto| Edição do dia

Depois da 1h da quinta-feira, Cristina Kirchner falou. A ex-presidente e atual senadora nacional anunciou o apoio de seu bloco para o projeto que obteve uma meia sanção na Câmara dos Deputados.

Esse apoio não é homogêneo. Devemos lembrar que o senador Garcia Larraburu anunciou seu voto a favor. No entanto, alguns dias atrás, ele refez seus passos e anunciou que votaria contra o direito ao aborto.

Durante seu discurso, Cristina Kirchner reivindicou sua constante "defesa da vida" de várias políticas que ela teve ao longo de seus esforços e enquanto servia como legisladora.

No entanto, como é amplamente conhecido, durante seus dois mandatos presidenciais, Cristina Kirchner bloqueou o debate sobre a discussão parlamentar do direito ao aborto. Em 12 anos, apesar das reivindicações de múltiplas organizações e grupos de mulheres, do governo Kirchnerismo parou o tratamento da questão.

Em seu discurso nesta quinta-feira ao amanhecer, a ex-presidente disse que mudou de posição no calor da enorme mobilização que as jovens estão desempenhando.

A ex-presidente também destacou que o peronismo "deve entender" que é necessário incorporar o feminismo, as demandas das mulheres. O pedido colide, no entanto, com a atitude da grande maioria dessa força. Durante o debate no Senado, este espaço apresentou argumentos do mais lamentável na hora de rejeitar o direito ao aborto.

A ex-presidente também pediu aos jovens mobilizados pelo direito ao aborto que "não fiquem bravos" com a Igreja e os padres. "Não fique zangado nem com a Igreja nem com os sacerdotes. Continue construindo a força que eu poderia claramente perceber em 8 de março ", disse ela.

O comentário só pode ser lido como um aceno para a Igreja e o papa. Foi precisamente essa instituição que lançou uma campanha furiosa contra o direito ao aborto. O vestíbulo da cúpula eclesiástica era evidente e brutal.

Tradução Douglas Silva




Tópicos relacionados

Legalização do Aborto   /    Mulheres   /    Argentina   /    Senado

Comentários

Comentar