Política

29 DE SETEMBRO

Dezenas de milhares de pessoas se mobilizaram contra Bolsonaro em Porto Alegre

O ato das mulheres contra Bolsonaro em Porto Alegre teve sua concentração no Parque Farroupilha (Redenção) e começou às 15h. Dezenas de milhares de mulheres trabalhadoras, trabalhadores, jovens e manifestantes passaram pelo ato.

sábado 29 de setembro| Edição do dia

O ato das mulheres contra Bolsonaro em Porto Alegre teve sua concentração no Parque Farroupilha (Redenção) e começou às 15h. Dezenas de milhares de mulheres trabalhadoras, trabalhadores, jovens e manifestantes passaram pelo ato. Esse ato que ocorreu em várias cidades do país, acabou sendo canalizado pelo petismo e fez na manifestação em Porto Alegre um palanque eleitoral, e fizeram o ato virar um tipo de “festa”, com atrações artísticas e sem nenhuma combatividade.

O ato em Porto Alegre expressou o que já havíamos apontado, que o caminho desenhado pelo uso da hastag #EleNão, desviou toda a discussão de combate a extrema direita para uma impotente estratégia eleitoral, fortalecendo a ideia de que contra Bolsonaro vale qualquer “mal menor” nas eleições, que no momento significa #HaddadSim.O ato também teve a presença de grupos do PDT, fazendo campanha a Ciro Gomes, que no ato de São Paulo, contou com a presença de sua candidata a vice, Kátia Abreu, a “Motosserra de Ouro”, amigas do agronegócio e inimiga das mulheres ao ser contra a legalização do aborto e que as mulheres continuem morrendo devido a abortos clandestinos.

O grupo de mulheres Pão e Rosas que esteve presente na concentração, se somou com o ato. Foi realizada uma roda de conversa junto a Val Muller, candidata a Deputada Estadual pelo MRT no Rio Grande do Sul, e debatendo que o ódio a Bolsonaro e o combate à Extrema Direita não pode ser feita junto com a conciliação do PT com a direita golpistas e o programa de Haddad de um Pacto Nacional com os partidos burgueses, e garantindo aos capitalistas que irá seguir o plano de ajustes e ataques contra a classe trabalhadora, Para seguir com o pagamento da dívida pública, onde é saqueado 50% do orçamento público da União que deveria ser destinado para atender as demandas e necessidades da população.

Não iríamos nos juntar ao PT em seu palanque eleitoral, que transformou o ato em um Festival sem nenhuma linha combativa. É com esses elementos que se caracterizou também no ato de São Paulo que contou com a participação de Manuela D’Ávila, vice de Haddad, que em seu Twitter, chamando para os atos, disse que era o momento de todas as pessoas de todos os partidos e ideologia de se unirem contra Bolsonaro. Deixando claro que sua política de unificação com a direita e os partidos dos patrões. Além de contar com a presença dos golpistas como a candidata Marina Silva, que usou o ato em São Paulo como parte de sua agenda oficial de campanha. E Ana Amélia, vice candidata de Geraldo Alckmin, e amiga dos latifundiários do Rio Grande do Sul.

O Pão e Rosas chama as mulheres a seguir lutando contra Bolsonaro e a extrema direita sem ser massa de manobra da política petista de conciliação com os golpistas escravistas, defendendo uma saída anticapitalista para que sejam os patrões aqueles que paguem pela crise.




Tópicos relacionados

Mulheres Contra Bolsonaro   /    Pão e Rosas   /    Mulheres   /    Rio Grande do Sul   /    Eleições 2018   /    Bolsonaro   /    Política

Comentários

Comentar