Política

Desistência de Arthur Virgílio consolida candidatura de Alckmin no PSDB

Apesar de nome certo nas pesquisas eleitorais, o governador de São Paulo Geraldo Alckmin ainda passaria pelas prévias de seu partido. Entretanto, com a desistência de seu único concorrente o prefeito de Manaus Arthur Virgilio Alckmin consolida de vez seu nome como o candidato do partido. O prefeito manauara disparou contra o tucano paulista: "Participar de uma fraude eu não vou".

sexta-feira 23 de fevereiro| Edição do dia

Nome recorrente nas pesquisas eleitorais, o governador Geraldo Alckmin finalmente está prestes a oficializar seu nome como o candidato tucano ao Palácio do Planalto. Para isso, o governador paulista teve de utilizar de seu poder como cacique do partido para demolir a pré candidatura de seu adversário Arthur Virgilio.

O prefeito de Manaus declarou que "Participar de uma fraude, eu não vou, não". O político já vinha reclamando da forma como Alckmin utilizava da sua influência interna para conduzir as prévias, o paulista, após a queda de Aécio Neves, já acumulava a presidência do partido com a sua pré candidatura. Além disso, Alckmin, através de sua envergadura dentro do partido, cancelou uma série de debates internos que ocorreriam para transformar tudo em um debate único.

"Conheci um dos homens públicos menos sinceros e mais capazes para a desfaçatez e fingimento em 40 anos de vida pública."

Entretanto, mesmo com a consolidação de seu nome como o candidato do partido, sua candidatura não empolga muitos setores internos. A candidatura do "picolé de chuchu", alcunha como é conhecido por sua falta de carisma, não consegue entusiasmar nas pesquisas. Não à toa outras candidaturas mais aventureiras foram recebidas com muito mais entusiasmo internamente. Seu apadrinhado João Dória quase chegou a destronar o padrinho, antes de seu nome perder força dada sua gestão marqueteira e voltada para seus pares capitalistas, com diversas doações sob suspeita. E até mesmo o nome do apresentador Luciano Huck, foi visto por figurões do partido, como FHC, como uma opção mais viável.

A partir do dia 7 de abril Alckmin estará livre para começar oficialmente sua campanha. Na verdade Alckmin já arma sua campanha há muito tempo dando exemplos no estado de São Paulo de como atuará para atacar os trabalhadores, sendo o candidato pedigree puro da que a burguesia almeja, com o calote que acabou de dar em mais de 20 mil professores categoria O demitido no final de 2017; o fechamento de salas, as dificuldades dos professores nas atribuições de aulas, e o sucateamento da educação pública; a entrega do patrimônio público em leilões a carta marcada (como já prometeu que fará da mesma forma na presidência, com a venda integral da Petrobrás); e tantos outros problemas que são sua marca registrada ao longo de seus 3 mandatos a frente do governo do estado.




Tópicos relacionados

Eleições 2018   /    Alckmin   /    Política

Comentários

Comentar