Desesperado, Bolsonaro vai atrás até de príncipe e astronauta para vice

O candidato do reacionarismo, sem vice, se lança aos quatro ventos em busca de quem o siga nos ataques aos trabalhadores.

Douglas Silva

Estudante da UFJF

quinta-feira 26 de julho| Edição do dia

Bolsonaro já demonstrou diversas vezes ser um candidato queridinho dos capitalistas,como já ficou claro no evento da golpista Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Os empresários, como o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, já deixaram claro não temer um eventual governo Bolsonaro. Os capitalistas que não temem o capitão reformado sabem muito bem para quem ele governaria, um governo que se colocaria a serviço de mais ataques aos trabalhadores e ao povo pobre.

Bolsonaro aplaudido pelos industriais, mas sem a “rainha” no tabuleiro

O candidato que teve dificuldade para conseguir um vice, desde Magno Malta (PR-ES) até o general da reserva Augusto Heleno, continua na busca por sua rainha no tabuleiro de xadrez.

Janaína Paschoal, que discursou na convenção do PSL sem agradar muito a Bolsonaro e seus seguidores, segue na disputa. Porém, outros nomes muito peculiares, surgem na concorrência, como o tenente-coronel da Força Aérea, Marcos Pontes, primeiro brasileiro a ir ao espaço e o príncipe, Luiz Philippe de Orléans e Bragança, da Casa Imperial Brasileira. Fundador do movimento antipetista Acorda Brasil, em 2014.

Leia também:“Dupla poderá revolucionar o País” diz a Janaína Paschoal sobre chapa com Bolsonaro

Entre todos os vices negados e aqueles que ainda seguem na disputa, uma coisa é certa, Bolsonaro, mesmo enfrentando dificuldade na busca pelo seu par reacionário, é o candidato que arranca aplausos de industriais sedentos por uma Reforma Trabalhista ainda mais dura e a garantia de que o próximo governo seja punhos de aço contra os trabalhadores e o povo pobre. Uma tarefa que já abraçou desde quando, apoiando o golpe institucional em 2016 e saudando o torturador da ditadura militar, Brilhante Ustra, se colocou a serviço dos interesses imperialistas.

Leia também: Sem vice, Bolsonaro tenta conseguir ajuda de empresários e do imperialismo americano

Agora, o candidato militar, que não deixa de procurar outros nomes em meio aos seus, se lança na busca entre os herdeiros da coroa e quem mais queira beijar os pés dos patrões.




Tópicos relacionados

Imperialismo   /    Trabalhadores   /    Eleições 2018   /    Bolsonaro   /    Reforma Trabalhista   /    Golpe institucional   /    Ditadura militar

Comentários

Comentar