Mundo Operário

DESEMPREGO

Descaso durante ’feirão de empregos’ gera revolta em trabalhadores no RJ

Milhares de trabalhadores desempregados madrugaram na fila para a "Feira de Empregos" na Zona Norte. Retrato vivo da crise que atravessa o estado, centenas de trabalhadores que ficaram do lado de fora se revoltaram contra a organização que os deixou sem nenhuma perspectiva de emprego.

quarta-feira 30 de agosto| Edição do dia

O "Feirão de Empregos" havia sido anunciado para distribuir 450 fichas para preencher 200 vagas de emprego nesta terça (29). O resultado foi uma fila de milhares de pessoas, algumas que chegaram durante a tarde de segunda (28), outras das 22hs em diante. O local era no Shopping Jardim Guadalupe, na Zona Norte do Rio de Janeiro.

Após abrirem os portões às 10hs da manhã de hoje, os organizadores deixaram as 450 pessoas entrarem e trancaram os portões, deixando milhares de pessoas sem nenhuma resposta. O que gerou ainda mais indignação foi a resposta do shopping para tentar "contornar" a situação, entregando cartões com informações de agências de emprego, para que as pessoas dispersassem do local. Após isso começaram a forçar o portão para derrubá-lo.

Com cerca de 15% da população do estado desempregada, o desespero por emprego não poderia ser diferente. Os dados são da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Dominílios Contínua), que deixam ainda mais nítida a crise vivida pelo estado.

Esse cenário é utilizado também pelas grandes empresas, que aproveitam o momento para aumentar os níveis de exploração e precarização do trabalho, dado que o trabalhador terá de se submeter a péssimas condições, caso contrário terá "outro" aguardando na fila. Um reflexo do descaso do governo Pezão com milhões de pessoas desempregadas no estado, ao passo que mantém o privilégio dos empresários e políticos, descarregando a crise nas costas dos trabalhadores e do povo pobre.




Tópicos relacionados

Luiz Fernando Pezão   /    Crise no Rio de Janeiro   /    Trabalho Precário   /    Desemprego   /    crise econômica   /    Rio de Janeiro   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar