Política

Absurdo

Descaradamente, Dono da Havan diz sequer saber o que é "impulsionamento de zap"

Luciano Hang, conhecido como dono da Havan, ou "véio" da Havan, investigado no inquérito das fake news nas eleições, com um descaramento sem tamanho, disse à Polícia Federal que sequer sabe o que é "impulsionamento de zap" e seu advogado, Fábio Roberto de Souza, cinicamente afirmou que jamais participaram ou enviaram qualquer coisa por zap ou qualquer outra rede.

quarta-feira 31 de julho| Edição do dia

Luciano Hang, grande apoiador de Jair Bolsonaro (PSL), é um dos empresários que estabeleceu contratos ilegais com agências de disparo de mensagens irregulares pelo WhatsApp, admitindo em vídeo, ter gasto R$ 12 milhões na campanha eleitoral do atual presidente, ficando famoso por ter coagido seus funcionários a votarem e fazerem campanha a Bolsonaro. Possuidor de uma dívida de R$168 milhões com a Receita Federal e o Instituto Nacional de Seguridade Nacional (INSS), empresário que, mesmo com tamanha dívida com a União, comprou esse ano um jatinho de valor de R$250 milhões e mais uma lista interminável de barbaridades imorais próprias dos capitalistas.

Em entrevista, Bolsonaro assumiu saber a ilegalidade dos R$12 milhões recebidos de um vasto grupo de empresários para impulsionar sua campanha através do WhatsApp e num vídeo publicado pelo próprio Bolsonaro, Hang pergunta à Gazin em quem se deve votar no primeiro turno e ele responde dizendo: "Bolsonaro, e no primeiro turno para nós não termos que gastar mais dinheiro no segundo turno”.

Mesmo Luciano Hang tendo sido condenado a 10 anos, 09 meses e 05 dias de reclusão, em regime inicialmente aberto – art. 33 do Código Penal – mais 270 dias-multa, cada qual em 10 salários mínimos, conseguiu ter sua pena prescrita, mais um acontecimento que comprova que a Lei está do lado dos privilegiados e contra os trabalhadores, que hoje pagam com suas vidas para que grandes empresários como Hang, possam acumular cada vez mais dinheiro e poder.




Tópicos relacionados

Governo Bolsonaro   /    Política

Comentários

Comentar