Política

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Deputados votam primeiro passo da reforma da previdência: derrubemos ela com a greve geral

quarta-feira 3 de maio| Edição do dia

A Comissão Especial votou o parecer da Reforma da Previdência, o primeiro passo para este ataque brutal aos trabalhadores, que será encaminha ao plenário, por 23 a 14 aprovando o relatório do deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA). Neste momento vota-se os destaques. Atualização: os destaques globais foram rejeitados em votação, destaques de bancadas e emendas são votados agora.

Notoriamente divulgada em todos os meios, deputados comprados por cargos no governo Temer trabalham arduamente para aprovar os ataques do governo golpista, e de quebra garantem "o seu e da sua família" nos altos privilégios políticos garantidos por Temer, que de tudo está fazendo, até pagando o SBT em favor de fazer terrorismo em rede nacional defendendo o tema, desta forma tentando inutilmente mudar a opinião pública massivamente contrária à reforma, 71% contra segundo o Datafolha.

Na comissão especia, encaminharam voto contrário o PT, PSB, PDT, SD, PCdoB, PHS, PSOL, PROS e REDE. Votaram à favor:

Carlos Marun (PMDB-MS)
Darcísio Perondi (PMDB-RS)
Lelo Coimbra (PMDB-ES)
Mauro Pereira (PMDB-RS)
Adail Carneiro (PP-CE)
Julio Lopes (PP-RJ)
Maia Filho (PP-PI)
Carlos Melles (DEM-MG)
Pauderney Avelino (DEM-AM)
Junior Marreca (PEN-MA)
Vinicius Carvalho (PRB-SP)
Prof VictorioGalli (PSC-MT)
Alexandre Baldy (PTN-GO)
Aelton Freitas (PR-MG)
Bilac Pinto (PR-MG)
Magda Mofatto (PR-GO)
Reinhold Stephanes (PSD-PR)
Thiago Peixoto (PSD-GO)
Giuseppe Vecci (PSDB-GO)
Marcus Pestana (PSDB-MG)
Ricardo Tripoli (PSDB-SP)
Arthur O. Maia (PPS-BA)
Evandro Gussi (PV-SP)

Agora, serão votados os destaques ao texto. No plenário será necessário um mínimo de 308 votos. Temer vai tentar de tudo para garantir a votação, dando cargos no atacado para garantir a vitória da votação contra os trabalhadores.

Urge exigir das Centrais Sindicais um plano de luta contra a reforma da previdência. Continuando o 28A, avancemos para preparar uma greve geral que derrube as reformas e Temer. Ao mesmo tempo, não devemos deixar nas mãos dos burocratas das centrais os destinos da nossa luta porque eles preparam a negociação pelas nossas costas, por isso é importante em cada local de trabalho e estudo impulsionar os comitês de organização da greve para que os trabalhadores assumam o controle da própria luta.

Quais os próximos passos depois da greve geral?




Tópicos relacionados

Política

Comentários

Comentar