Sociedade

FERIADÃO DOS PARLAMENTARES

Deputados terão feriado prolongado de 10 dias nesta semana

segunda-feira 26 de março| Edição do dia

Essa semana a Câmara dos Deputados deverá ficar vazia, já que devido ao feriado, os deputados devem não aparecer ao plenário. Enquanto os trabalhadores trabalham em longas jornadas de trabalho exaustivo, e até nos dias de feriado, os deputados irão ter um feriado prolongado de 10 dias.

Prevendo a falta de quórum, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pediu prioridade na instalação das 25 comissões técnicas. Além de suas funções normais, os colegiados são tratados como trunfo em ano eleitoral e podem fortalecer os candidatos que os presidirem.

“Tradicionalmente, a Câmara costuma ter o quórum mais baixo nesses feriados, especialmente quando é algo religioso como a semana santa, que começa na quinta. Acredito que muito do que está na agenda não terá força para ser votado justamente pela falta de gente para votar. Por isso, devemos passar os próximos dias dedicados às comissões. Sem elas a Casa não anda. Não dá para votar nem discutir PECs. Acho que a gente precisa resolver isso com a maior urgência”, comentou Júlio Delgado (PSB), líder do partido.

Com o “feriadão” dos deputados, pautas como os pareceres preliminares referentes aos processos contra os deputados Lúcio Vieira Lima (MDB-BA), Paulo Maluf (PP-SP), e Celso Jacob (MDB-RJ) e João Rodrigues (PSD-SC) deverão ser adiados, já a criação do SUSP (Sistema Único de Segurança Pública) poderá ser apreciado ainda essa semana.

O deputado Alexandre Manente (PPS), líder de seu partido, afirmou que é preciso pautar o projeto de reoneração da folha, que aumenta a tributação sobre os salários de alguns setores, ainda essa semana.

Esse absurdo acontece devido aos diversos privilégios que os políticos tem, que além dos altos salários, recebem diversos benefícios, e com isso, faltar ou não ao plenário, para eles, pouco faz diferença. É preciso combater todos os privilégios dos políticos, que eles recebam o mesmo salário que um professor e que não tenham direito aos abusivos benefícios que recebem.

Fonte imagem: Fábio Campana




Tópicos relacionados

Brasília   /    Sociedade   /    Política

Comentários

Comentar