Política

PTS CONTRA O GOLPE

Deputada da esquerda denuncia no congresso argentino o golpe no Brasil

Deputada Myriam Bregman do Partido dos Trabalhadores Socialistas (PTS), organização irmã do MRT no Brasil, que encabeçou a chapa presidencial da Frente de Izquierda e de los Trabajadores com Nícolas del Caño e Myriam como vice nas eleições do ano passado, denuncia golpe institucional e pede que Congresso argentino repudie o governo Temer.

sexta-feira 2 de setembro| Edição do dia

Na sessão de ontem da Câmara de Deputados da Argentina, o Cabiemos apresentou uma declaração que reconhece o governo de Michel Temer e o golpe institucional como um processo legítimo. Myriam Bregman, deputada do PTS, denunciou o apoio da direita argentina ao governo golpista brasileiro e se solidarizou com as manifestações contra Temer no Brasil.

Elisa Carrió, presidente da Comissão de Relações Exteriores, defendeu a proposta sem denunciar o golpe institucional, reafirmando princípios do "direito à democracia", e também o "respeito aos direitos humanos e às liberdades fundamentais". Ela compõe a frente parlamentar macrista, que desde a primeira votação do golpe no Brasil se negou a chamar o processo pelo seu nome e repudiar este ataque.

O próprio presidente Maurício Macri foi o primeiro a reconhecer o governo golpista, antes mesmo da votação no Senado. Seu governo, que inclusive já foi elogiado pelo imperialismo, tem características semelhantes com aquilo que Temer demostrou até agora: ataques aos direitos sociais e trabalhistas para garantir que o povo pobre pague pela crise capitalista.

Quando ocorreu a votação na Câmara, a deputada Myrian Bregman propôs que os deputados argentinos votassem uma moção de repúdio ao golpe em curso no Brasil. A mesma frente que propôs nesta quinta-feira (1º) uma declaração de apoio ao governo golpista, na época, se negou a colocar em votação a proposta da deputada do PTS.

Bregman reforçou em sua intervenção: "Nos solidarizamos e encorajamos todas as lutas e mobilizações contra o Governo de Temer. Os principais afetados deste novo avanço da direita são os trabalhadores, os camponeses sem terra e todos os setores explorados e oprimidos dos país irmão. Sem meias palavras: é necessário condenar o golpe institucional de Temer no Brasil e não reconhecer seu governo! Abaixo o golpe, fora Temer, viva a luta dos trabalhadores do Brasil!"

Temer encontra apoio internacional nos políticos burgueses como Macri e seus parlamentares. Assim como os deputados e senadores brasileiros que permitiram a consolidação do golpe, são representantes dos patrões e do imperialismo, que tem como única saída para a crise as privatizações e corte de direitos sociais e trabalhistas.

Assista a declaração da deputada Myrian Bregnan na íntegra (legendado em português):




Tópicos relacionados

Golpe institucional   /    PTS na FIT   /    Política   /    Internacional

Comentários

Comentar