Internacional

Crescimento de populistas, xenòfobos e "anti-sistemas"

Depois das eleições, a Itália é ingovernável?

terça-feira 6 de março| Edição do dia

Os resultados finais ainda não são oficiais, mas as manchetes da imprensa italiana já não deixam mais dúvidas sobre as principais lições que podem ser retiradas das eleições legislativas deste domingo na Itália. O terceiro poder da zona do euro é simplesmente "ingovernável", de acordo com o editorial de imprensa de Turim, "La Stampa". Com maior moderação em seu julgamento, mas igualmente preocupado, o Wall Street Jornal destaca como "o avanço eleitoral dos grupos populistas na votação deixa a Itália sem um vencedor claro". Isto é o que é mais preocupante para a burguesia do outro lado dos Alpes, de Bruxelas e seus parceiros europeus.

A nova lei eleitoral foi aprovada de forma a fortalecer o Partido Democrata (no poder desde 2013) e a Forza Italia (centro direita novamente dirigido por Silvio Berlusconi, que retorna aos seus 81 anos). Mas simplesmente acabou se voltando contra esses dois pilares do bipartidarismo. Com 19% e 13,9% dos votos, respectivamente, para deputados (e 19,4% e 14,3% para senadores), ambas as partes foram excluídas.

Bloqueio político

Do lado das forças populistas e "anti-sistema", a "ribaltone" aparece, a contra tendência. O Movimento de 5 estrelas (M5S) de Beppe Grillo e Luigi Di Maio alcançou uma pontuação elevada de 31,6% na legislatura, enquanto o partido de extrema direita de Matteo Salvini, anteriormente conhecido como "Liga do Norte" em Bossi, e renomeado como "Liga" para esta ocasião, aumentou de 4% em 2013 para 18,2%, deixando 5 pontos à frente de Berlusconi, a quem ele propôs uma possível aliança de centro-direita.

Na metade norte do país, Salvini foi o mais votado, enquanto no centro-sul, muito marcado pela crise, com os jovens assediados pelo desemprego e pelo emprego precário, o M5S ganhou a maioria. À esquerda do espectro político, a esquerda radical (Potere al Popolo) ganhou 1,1%, e a lista de extrema esquerda Sinistra Rivoluzionaria, 0,1%.

Matteo Renzi, o homem forte do Partido Democrata, e Paolo Gentiloni, presidente do Conselho, optaram por continuar com sua política de austeridade e contra-reformas que o PD liderou desde 2013. Para os democratas, que haviam perdido nas eleições sua ala " esquerda ", Liberi e Uguali, o golpe é importante. No entanto, era sobre eles que as (pobres) esperanças da burguesia foram depositadas para formar um governo de coalizão de centro-esquerda ou centro-direita.

Na ala direita, a liga de Salvini alcançou o "sorpasso", avançando em cinco pontos na Forza Italia e transformando o equilíbrio de poderes muito profundamente. Com uma base social que combina subsetores de empresários no Norte, e em setores populares, a Liga, cujo maior aliado é o referencial da extrema direita da Marinha Le Pen, é um dos dois vencedores dessas eleições.

No entanto, é difícil ver como um partido xenófobo e anti-europeu que fez campanha para livrar "o país de seus 600 mil imigrantes ilegais" poderia dirigir uma coalizão governamental. Ninguém no establishment político ou dentro da Confindustria, a empresa comercial mais importante da Itália, quer. Em qualquer caso, nenhuma das duas coalizões potenciais, nem a liderada pelo PD, na centro esquerda, nem a composta pela Liga, podem aproximar os 315 votos no parlamento para formar um governo.

Rumo a eleições antecipadas?

De acordo com a constituição, Sergio Mattarella, presidente da república, deve confiar a tarefa de formar um governo para o líder do M5S, Luigi Di Maio, que obteve o primeiro lugar, embora longe dos 40% necessários para garantir a maioria. Vários líderes do M5S declararam que seu movimento representa "o pilar da democracia italiana", isto é, mais prosaicamente, que eles estavam preparados para negociar.

Mesmo Grillo, muito discreto durante a campanha, declarou, antes das eleições, que a "era de vaffa" (fazendo tudo o que queria) acabou, marcando um potencial ponto de viragem na atitude do M5S. Sem mencionar a tensão entre uma ala de "protesto", hostil a qualquer aliança e um setor muito mais moderado e de "mudança rápida" tentado por realizar uma coalizão.
A hipótese mais provável é que, embora o governo de Gentiloni continue a administrar o negócio diário, em caso de fracasso, já anunciado, de maioria no Parlamento e no Senado, na Itália, a terceira potência na zona do euro e o sexto ao nível mundo, deve retornar às eleições em eleições antecipadas, com ou sem modificação da atual lei eleitoral, um dos antigos demônios da política italiana.

Outros pressupostos, a constituição de um "governo tecnocrático" ou a caça furtiva por deputados de direita e senadores do M5S que contravenham as ordens de Grillo para apoiar um governo minoritário, também são possíveis, mas improváveis no cenário atual, embora a Confindustria não quer ir às eleições antecipadas.

Como em 1993 com Berlusconi, o sinal do aprofundamento da crise orgânica

Os analistas enfatizam como independentemente dessa perspectiva os resultados deste domingo são um verdadeiro terremoto político, comparável às eleições de 1993. Foi esse voto que marcou a morte definitiva do "pentapartido", o sistema parlamentar que sancionou o fim do período "Ascensão de maio" (o "68" italiano) e que governou o país entre 1981 e 1991, através da aliança (ultra corrupta) entre a democracia cristã de Giulio Andreotti e o Partido Socialista de Bettino Craxi, que liderou o país no caminho das reformas neoliberais e do surgimento de Silvio Berlusconi. Hoje, o "Cavaliere" tem os rostos de Salvini, Di Maio e Grillo, mas todo o problema permanece intacto para a burguesia italiana.

O suspiro de alívio que os empresários lançaram na Alemanha após a votação da base do SPD que validou um acordo governamental com a direita de Angela Merkel (após cinco meses de incerteza) contrasta com a instabilidade política que provoca a Itália. "A violação da confiança entre os cidadãos e os governantes é final", afirmou ontem, após os primeiros resultados, o analista político Roberto Arditti. De acordo com os termos do líder comunista italiano Antonio Gramsci, isso é chamado de moldagem e aprofundamento da "crise orgânica". Este quadro, muito definido pela direita, é, no entanto, extremamente complexo para a burguesia, porque os setores mais militantes da classe trabalhadora e da juventude não vão parar de se defender.




Tópicos relacionados

Internacional

Comentários

Comentar