Internacional

Estado Espanhol

Declaração da CRT: Lutemos por um referendo sobre a monarquia que abra processos constituintes para decidir tudo

A monarquia está passando por sua maior crise desde a restauração da Coroa em 1975, questionada por extensos movimentos em todo o Estado. A partir da Corrente Revolucionária dos Trabalhadores e Trabalhadores (CRT), fazemos a exigência de um referendo sobre a monarquia e faremos parte dos processos de organização e mobilização que visam impor essa demanda.

terça-feira 30 de outubro| Edição do dia

A monarquia está passando por sua maior crise desde a restauração da Coroa em 1975. O questionamento desta instituição medieval, que foi imposta como herdeira pelo próprio Franco, aumenta dia a dia junto com a exigência de que sua existência seja sujeita a um referendo. A crise do regime de 78 finalmente chega plenamente ao seu ápice e atinge seu pilar fundamental.

A última pesquisa divulgada recentemente, encomendada pelo Podemos, mostra que 54% da população seria a favor dessa consulta. Além disso, a posição a favor da república atinge 46% em comparação com 27,2% que gostariam de manter a monarquia como forma de Estado. Dados muito semelhantes aos de várias pesquisas publicadas por várias mídias nas últimas semanas.
No País Basco e na Catalunha esta rejeição da coroa excede 70%. No caso catalão, Felipe VI tornou-se uma persona non grata autêntica. Ele foi vaiado maciçamente na manifestação após os ataques de agosto de 2017 devido a seus laços estreitos com a ditadura saudita. Após seu discurso em 3 de outubro, a coroa finalmente perdeu a Catalunha.

Naquele dia o rei endossou a repressão do referendo 1-O e deu a ordem para lançar o 155 e a perseguição do movimento pela independência. Também contam as pesquisas em que a maioria da população acha que o rei desempenhou um papel negativo na Catalunha. Neste contexto, nas últimas semanas, a Casa Real foi rejeitada pela Generalitat, o Parlament e, recentemente, pela a sessão plenária da Câmara Municipal de Barcelona.

Justamente o alinhamento do rei com as medidas mais difíceis para esmagar o movimento democrático catalão também fazem parte das razões pelas quais a coroa está perdendo de prestígio no resto do Estado Espanhol. A mesma pesquisa citada acima revela que a maioria da população acredita que o rei teve um papel negativo na Catalunha e que 39% da população acredita que não irá resolver a crise catalã. Outras pesquisas recentes mostraram que 43% dos espanhóis endossam um referendo sobre autodeterminação para a Catalunha. Para isto deve ser adicionado os escândalos de corrupção que têm salpicados Casa Real -por mais do que o PSOE, PP e Cs intervieram de modo que eles não poderiam investigar o rei e emérito decrépito de uma instituição antidemocrática e hereditária.

As amostras de rejeição à monarquia não param de aumentar. Do jovem que entregou uma vassoura a Felipe VI, em Maiorca, em sua visita às cidades afetadas pelas enchentes, aos estudantes que se recusaram a ser recebidos por ele nas Astúrias para receber um prêmio acadêmico. Bem como as iniciativas para um referendo sobre a monarquia, e as consultas populares em Vallecas que estão se espalhando para outros distritos na cidade de Madrid, até chegar à Universidade Autónoma de Madrid, onde grupos de estudantes e pesquisadores chamam um referendo em 29 de novembro.

Um movimento que desperta uma forte simpatia na Catalunha, onde no 1-O povo manifestou-se principalmente em favor de uma república independente e hoje muitos vêem uma oportunidade na exigência de referendo no resto do Estado para forjar uma luta comum contra o regime dos 78 que proíbem ambos exercerem o direito de decidir. Também aqui grupos de estudantes estão se organizando para apoiar as consultas do resto do Estado e exigir que universidades catalãs rompam com a monarquia.

Todo esse clima levou a IU (Izquierda Unida) e Podemos a ser forçados a se movimentar. Embora nunca tenham renunciado a sua preferência pelo Chefe de Estado ser eleito por voto, a “Unidos Podemos “(aliança eleitoral formada pela IU e Podemos) tirou questão da república ou a demanda por um referendo sobre a monarquia da agenda desde as últimas eleições gerais.

Ambas organizações estão levantando o tom de denúncia contra essa instituição e seu caráter não eletivo. A IU anunciou que apresentaria moções nos municípios para rejeitá-la. Pablo Iglesias e Podemos estão agora a favor de abrir o debate sobre a coroa, especialmente depois que o governo de Pedro Sanchez, do qual são sócios parlamentares, anunciou que iria apelar contra a ação constitucional contra Felipe VI aprovada pelo Parlamento.

Embora tenham começado a levantar a necessidade de um referendo, até agora não propuseram nenhuma moção concreta para impusioná-lo e para que o povo decidm sobre o futuro desta instituição. Justamente a demanda democrática que reúne cada vez mais apoio e que pode ter um clamor popular grande nos próximos meses se o movimento de consultas continuar a se espalhar. Desde os "Ajuntamentos da mudança" já se poderia efetivar-se uma convocatória.

A partir da Corrente Revolucionária dos Trabalhadores e Trabalhadores (CRT), fazemos parte da demanda por um referendo sobre a monarquia e faremos parte dos processos de organização e mobilização que visam impor essa demanda. Especialmente as consultas populares que estão sendo preparadas e devem ser mobilizadas, para que se estendam para cidades, bairros, universidades e institutos, bem como as ações na Catalunha que estão se encaminhado para defender o mandato 1-O e, por conseguinte, o rompimento com a coroa.

Os líderes do Podemos e da IU têm hoje a responsabilidade de passar de declarações aos fatos, retomando a demanda democrática básica do referendo e colocar suas posições institucionais e organizacionais em busca de uma luta determinada a ganhar o referendo.

Não mantemos qualquer ilusão de que o 78º Regime permitirá que esta questão seja submetida a uma consulta democrática, da mesma forma que se recusa categoricamente a aceitar o direito do povo catalão de exercer a autodeterminação e promove uma brutal repressão à essa demanda quando é levantada. A coroa não pode sequer ser questionada, e nisso estão de acordo do PSOE a Vox (partido de extrema-direita), através do Judiciário e das Forças Armadas.

Portanto, para impor que os diferentes povos do Estado possam decidir sobre esta instituição obsoleta e antidemocrático será necessário impor, desenvolvendo uma mobilização poderosa contra o regime de "limite e amarrado", que permite desenvolver a auto-organização operária e popular e a consciência de que está nas nossas mãos poder mudar tudo.

Nesse sentido, a partir da CRT, consideramos que a luta por um referendo deve estar vinculada à luta para impor a abertura de processos constituintes por todo o Estado que sejam verdadeiramente livres e soberanos. Com isto queremos dizer que eles não estão sujeitos aos poderes de facto e às instituições do Regime de 78 (Judiciário, Parlamento, Forças Armadas ...). O oposto do que foi o falso processo constitucional de 77-78, dirigido e protegido pela coroa e pelo estado franquista.

Portanto, defendemos que se possam eleger assembléias constituintes em todas as nações hoje integrados no Estado espanhol, composta por um representante de cada 20.000 habitantes, que sejam revogáveis e ganhem um equivalente a um trabalhador qualificado ou um salário professor. Para que se discutir sem restrições e resolver efetivamente o direito à auto-determinação, a discussão sobre a forma de Estado, ou efetivar o resultado de um referendo se ele ocorrer antes- a separação de igreja e Estado e o fim casta reacionária judicial, bem como um programa para resolver os problemas de desemprego, precariedade, habitação ou serviços públicos em base medidas que atuem sobre os privilégios dos grandes capitalistas.

A luta por esse programa democrático radical só pode ser colocada por um grande processo de luta e auto-organização operária e popular, que deve ser mais desenvolvida e mais forte, quão maior a resistência do Regime e dos capitalistas, à qual a vontade popular pode se expressar seja ela qual for. Uma luta que deixará o rei, os políticos do IBEX35 e suas instituições ainda mais nus, e fará com que mais e mais setores da classe trabalhadora e o povo vejam a necessidade de lutar por um verdadeiro poder próprio para que sua vontade seja respeitada: os governos dos trabalhadores e setores populares.




Tópicos relacionados

Internacional

Comentários

Comentar