Mundo Operário

ELEIÇÕES SINTUSP

Debate programático da Chapa 1 com a chapa de oposição

Material de resposta da Chapa 1 - Sempre na Luta! ao programa apresentado pela chapa de oposição.

quarta-feira 16 de novembro| Edição do dia

1. DEBATE da Chapa 1 com o “programa” da outra chapa

A CHAPA 1 traz consigo uma longa historia de lutas e conquistas e um programa de combate aos verdadeiros inimigos da categoria e da classe trabalhadora. Um programa de unidade que reúne novos e antigos lutadores apesar de suas diferenças de opinião. Buscamos juntos no momento das eleições, armar a categoria para responder aos grandes desafios que nos estão colocados nesta difícil conjuntura.
Enquanto isso, o programa da outra chapa não apresenta nenhuma proposta de luta contra Zago, inimigo mortal dos funcionários, e seus ataques. Muito menos qualquer crítica ou denúncia contra os governos Alckmin e Temer e seus projetos de atacar as universidades e acabar com a aposentadoria e demais direitos trabalhistas através de reformas e/ou votações do supremo tribunal. Apenas, algumas pequenas linhas a esse respeito foram redigidas na apresentação deles, enquanto distribuem um material longo e colorido que sequer menciona o nome de Zago.

Não seria exagero e nem má fé de nossa parte dizer que até mesmo uma chapa que fosse bancada e apoiada pela reitoria poderia assinar o tal programa. Não a toa na página do Facebook da outra Chapa vimos que até o chefe de gabinete, homem de confiança do Zago, curtiu o seu material de apresentação.

Mas isso não é motivo pra surpresa! O Chefe de Gabinete do Zago também poderia ter curtido o seu programa, ou seus “12 projetos” que não trazem nenhuma crítica que não seja à diretoria do sindicato, e nada além de supostas soluções técnico- administrativas para a gestão do Sintusp.

E agora o alinhamento da outra chapa com a Reitoria atingiu um nível inaceitável, calunia e incita a criminalização da campanha de colagem de cartazes da Chapa 1. Enquanto patrocinam uma denúncia contra a Chapa 1 no Facebook porque meia dúzia de cartazes deles foram arrancados (não por nós!), o Nakao ordena a retirada dos cartazes da CHAPA 1 em toda a USP.

2. Qual foi a posição da outra chapa durante a greve?

Essas eleições são bastante oportunas para o balanço das últimas greves, o curioso é que o oportunismo da outra chapa, chega ao ponto de em nome de se diferenciar da atual diretoria a qualquer custo, defender de forma completamente irresponsável contra a judicialização e pela extensão ainda mais a greve depois de dois meses de corte de ponto, de termos nosso pedido de liminar negado, quando os trabalhadores apontavam que não havia condição para seguir, ou seja, o que só levaria a mais um mês de corte de ponto de centenas de trabalhadores grevistas. Isso eles escondem na campanha eleitoral, naquela época essa posição valeu pra se diferenciarem de forma irresponsável da direção do Sintusp, mas agora não vale pra ganhar os votos que estão buscando.

Na greve faziam discurso aparentemente radical pra se diferenciar e ganhar espaço nos momentos de maior dificuldade. Agora na hora da eleição fazem coro com Zago e a burocracia universitária, se adaptando ao discurso mais rasteiro de que no sindicato é controlado por gangsteres truculentos. O oportunismo salta aos olhos, uma campanha assim não vai armar a categoria pra luta nenhuma, e não vamos nos rebaixar a ela.

3. Democracia no sindicato é com a CHAPA 1

O programa da outra chapa acusa a atual direção do sindicato de antidemocrática, vejamos: nosso sindicato organiza periodicamente e sempre que necessário, encontros e seminários abertos à toda categoria para tratar dos temas importantes para a categoria. Nesses encontros e seminários, assim como nas assembleias, é assegurado o direito de voz e voto a todas e todas presentes e todas as decisões são tomadas pelo voto da maioria.

O nosso sindicato é o único no país em que durante as greves se elege a comissão de negociação em assembleia e a diretoria se dissolve num comando de greve com representantes eleitos nas unidades em luta e assim permite que os próprios trabalhadores, nas reuniões de unidades, reuniões de comando e assembleias, tomem todas as decisões sobre os rumos da luta.
Como se vê, a outra chapa fala de democracia, mas a CHAPA 1, DAS LUTAS E CONQUISTAS, pratica de verdade a democracia dos trabalhadores.

4. A chapa que combina renovação e tradição

A CHAPA 1 conta também com a força da renovação, quase metade (47%) de seus membros não eram diretores do sindicato na última gestão. A condução democrática das últimas greves aproximou novos lutadores para assumirem a linha de frente das lutas no Sindicato, trabalhadores que conhecem a rotina e a realidade de diversos locais de trabalho em toda a USP, e que se unem a companheiros experientes que carregam a tradição de luta, classismo e democracia do Sintusp.

5. Manter a tradição de combatividade e aprofundar o classismo no SINTUSP

Sem poder negar o que todos trabalhadores sabem, a outra chapa reconhece que “a maneira de atuar do SINTUSP” tem funcionado, mas afirma que agora “tem se mostrado insuficiente”. Dai fala de preparar o sindicato para “novos tempos” e de dar “novo rumo ao SINTUSP”. Que tempos são esses e qual rumo pretendem dar ao nosso sindicato eles não dizem. Na verdade, eles não tem proposta alguma. Se tivessem de fato, porque não as teriam apresentado nas reuniões de unidades, nas assembleias e nas reuniões de comando durante a última greve, e agora nas reuniões do CDB? Chegam a dizer que nosso sindicato sequer oferece resistência aos ataques! Como explicam então que o Hospital Universitário não tenha sido desvinculado pela gestão Zago, senão pela luta que o sindicato organizou junto aos trabalhadores do HU e de toda USP, junto aos estudantes e à população? Seria por bondade do reitor?

Nosso sindicato é reconhecido como um dos mais combativos do país. Nenhuma categoria lutou tanto quanto a nossa desde o ano 2000 e nenhuma outra categoria obteve tantas conquistas. Com a CHAPA 1, das lutas e das conquistas, nosso sindicato continuará mais combativo do que nunca, pois vivemos tempos em que que governos como Temer e Alckmin, e patrões como Zago, utilizam todas instituições do estado para tentar fazer com que os trabalhadores paguem com seus empregos, salários e suas conquistas sociais o custo da crise da economia mundial. A Chapa 1 se preocupa em organizar o conjunto da categoria dando destaque aos seus setores oprimidos, e por isso impulsiona Secretarias como a Secretaria de Mulheres, combatendo a opressão machista, a Secretaria de Negros, Negras e Combate ao Racismo, e a Secretaria LGBT, combatendo a homofobia, encarando o combate à opressão como parte de unificar as fileiras da nossa classe, além da Secretaria de Combate ao Assédio Moral e da Secretaria de Aposentados.




Tópicos relacionados

Luta contra ajustes na USP   /    USP   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar