Mundo Operário

Rio de Janeiro

De recurso em liminar ninguém sabe quanto a passagem no Rio vai custar

Ontem (8), a desembargadora Flávia Romano de Rezende, da 17ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça, decidiu por acolher um recurso movido pelo Ministério Público do Rio e determinou que as tarifas de ônibus da cidade voltem a custar R$ 3,40, esta decisão porém não tem data para entrar em vigor, já que nem a Prefeitura do Rio de Janeiro, nem a Ônibus Rio, que congrega as quatro empresas foram sequer notificadas. A Ônibus Rio está em recesso para o carnaval e retomará suas atividades apenas na quinta-feira.

sexta-feira 9 de fevereiro| Edição do dia

Internorte, Santa Cruz, Intersul e Transcarioca são as empresas responsáveis por transportar os trabalhadores e jovens cariocas por meio de subsídios milionários e o fazem de forma precária, insuficiente e colocando em risco a vida dos motoristas e passageiros. Juntas, exigem um aumento de R$ 4 no valor da passagem. Ou seja, para aumentar seus lucros, propõe tirar ainda mais o direito de ir e vir dos trabalhadores e jovens que já vivem em uma cidade militarizada e um estado em crise.

Cláudio Callak, presidente da Rio Ônibus, disse ao G1 que "a nova decisão contribui para criar um clima de confusão entre a população já que não sabe qual seria o valor justo para a passagem.". Quando na realidade isso se dá por todos estes valores serem extremamente abusivos.

Para definir o preço da passagem, a prefeitura contratou a PricewatherhouseCoopers para fazer uma auditoria, uma multinacional Londrina cuja receita anual é de US$ 37,7 bilhões e que avaliou o preço necessário da passagem da cidade como R$ 4,05. A escolha em quem consultar é bem a la Crivella, prefeito da cidade, como puder aumentar os lucros dos patrões, vai cumprir seu papel.

A decisão sobre as tarifas é realizada por um ato administrativo da prefeitura, coisa que Crivella havia prometido se resolver rápido, como tantas outras.

Assim começa um novo episódio da saga judicial em torno do preço da passagem, pelo qual pagam os trabalhadores e jovens. Até agosto de 2018 o valor da passagem era de R$ 3,80. Duas ações judiciais do Ministério Público levaram a reduções seguidas, para R$ 3,60, em agosto e R$ 3,40 novembro. Justificados por aumentos acima dos previstos nas concessões.

O lado de Crivella e dos monopólios de transporte está evidente: contra os trabalhadores e a juventude que deixam suas vidas no transporte público. E a atuação da justiça também, o que for mais cabível para aumentar seu poder.

Nesta segunda-feira, o novo valor das passagens de ônibus na Cidade Maravilhosa pesou mais uma vez no bolso da população, R$ 3,60. Este aumento foi conquistado pelas quatro empresas que dominam o transporte público por meio de uma liminar.

Ontem (8), a desembargadora Flávia Romano de Rezende, da 17ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça, decidiu por acolher um recurso movido pelo Ministério Público do Rio e determinou que as tarifas de ônibus da cidade voltem a custar R$ 3,40, esta decisão porém não tem data para entrar em vigor, já que nem a Prefeitura do Rio de Janeiro, nem a Ônibus Rio, que congrega as quatro empresas foram sequer notificadas. A Ônibus Rio está em recesso para o carnaval e retomará suas atividades apenas na quinta-feira.

Imagem: O Globo




Tópicos relacionados

Tarifa   /    Marcelo Crivella   /    Crise no Rio de Janeiro   /    Rio de Janeiro   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar