Política

JUDICIÁRIO GOLPISTA

De corrupto para corrupto: empresas dão "bolsa-delação" a delatores na Lava Jato

domingo 28 de agosto| Edição do dia

Executivos de empresas investigadas na Operação Lava-Jato, que fecharam acordos de delação premiada, vão receber salários, ou uma espécie de “bolsa-delação”, por até 15 anos, de acordo com reportagem publicada hoje pelo jornal “Folha de S.Paulo”.

A garantia teria sido oferecida pelas construtoras Andrade Gutierrez e Odebrecht a executivos que já são delatores ou que estão negociando uma delação. A Odebrecht, que ainda não fechou um acordo com os investigadores da Lava-Jato, garantiu a manutenção do emprego por ao menos 15 anos de um grupo de cerca de 50 executivos que podem participar de uma eventual delação e auxílio no pagamento de multas.

Aqueles que são acionistas do grupo poderão receber mais recursos por sua participação. Na Andrade Gutierrez, cujo acordo de delação premiada foi homologado em abril, 11 delatores, incluindo o ex-presidente do grupo Otávio Azevedo, garantiram salários por dez anos.

A estimativa é a de que Azevedo vá receber cerca de R$ 120 milhões em uma década, valor proporcional ao que recebia no cargo.

Ou seja, não é apenas Sérgio Moro e os procuradores de Curitiba que continuarão lucrando milhões com a indústria das delações da Lava Jato. Os próprios empresários e acionistas corruptos, com mil e um laços com o Judiciário, receberão salários, privilégios e regalias muito além de poder passar o "cárcere" em suas mansões de luxo - como Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro. Manterão salários milionários como prêmio pela corrupção, segundo as "íntegras" teses do Ministério Público Federal.

A pergunta que não quer calar: esses empresários cumulados de regalias e que foram parte dos desvios e esquemas ilícitos não deveriam ter todos os seus bens confiscados, suas contas abertas e sua documentação investigada por júri popular? Por que manter tudo sob a investigação de uma casta judiciária que não é eleita por ninguém, ensopada em privilégios e que produz as delações que precisa (e esconde as que não precisam sair a público, como a da OAS que envolve Serra e Aécio do PSDB) para enriquecer?

Juízes e empresários no matrimônio corrupto

Os juízes não são eleitos por ninguém. Pelo contrário, são escolhidos pelos donos do poder. Como muito, são funcionários de carreiras cheias de filtros sociais, para que seus cargos sejam ocupados só pela elite. Gozam dos mais altos privilégios da “república dos ricos”, alguns deles vitalícios. São estes senhores os que querem censurar a esquerda nos debates eleitorais, mantendo "na disputa" sujeitos como Celso Russomanno, denunciado por peculato e mencionado na Operação Alba Branca como parte dos esquemas da máfia da merenda de SP.

É preciso questionar todos os privilégios do Poder Judiciário, exigir que cada juiz seja eleito por sufrágio universal e seja revogável, perdendo suas verbas de auxílio e exigindo que recebam o mesmo salário de uma professora. Nem o PT, que fortaleceu esta instituição durante todos os seus governos, nem a direita reacionária do PMDB e do PSDB, podem fazer isso.




Tópicos relacionados

Eleições 2016   /    Operação Lava Jato   /    Poder judiciário   /    Política

Comentários

Comentar