Sociedade

RIO DE JANEIRO

Crivella fura reunião com empresa de ônibus que ataca trabalhadores e a população carioca

Mesmo depois da carta aberta ao prefeito, Crivella não apareceu em reunião marcada pela RioÔnibus com empresários do transporte. Uma nova reunião foi remarcada para esta terça.

terça-feira 5 de dezembro| Edição do dia

A RioÔnibus, empresa de ônibus da cidade do Rio de Janeiro, depois de cobrar Crivella em carta aberta ao prefeito nas redes sociais, e de ameaçar os trabalhadores do transporte, segue sua cruzada para aumentar as tarifas de ônibus e diminuir as isenções aos idosos e estudantes, além de piorar as condições do transporte, para assim gastar menos e lucrar mais.

Dessa vez, depois da carta aberta à Crivella fazendo exigência pelo aumento da tarifa e diminuição das isenções, a empresa conseguiu marcar uma reunião com o prefeito, no entanto Crivella não apareceu. A empresa afirma que não recebeu nenhuma satisfação do prefeito e que os empresários que estariam na reunião ficaram mais de 4 horas esperando.

A nova reunião foi remarcada para esta terça-feira, 05, para discutir as atuais condições do transporte na cidade. Crivella já se pronunciou dizendo que acha o preço pago hoje pelos usuários justo. Sabemos que essa reunião é na verdade para decidir o quanto que as empresas e consórcios vão lucrar com as nossas horas e saúde perdidas no transporte público do Rio de Janeiro.

A RioÔnibus joga a culpa do colapso do transporte nas tarifa e nos estudantes e idosos, enquanto isso Crivella quer lavar suas mãos, como se também não tivesse responsabilidade e como se relação entre o governo e empresas como essas não estivessem sujas com a corrupção, pagamentos de propinas e caixa 2, além de financiamento de campanhas políticas. A RioÔnibus e Crivella são os responsáveis por dia a dia milhares de trabalhadores encontrarem pela frente um verdadeiro inferno para se locomover na cidade.

Não podemos ter nenhuma confiança que a resolução do problema do transporte no Rio de Janeiro pode vir dos governos ou dessas empresas, que apenas lucram mais e mais com a precarização das linhas e ônibus. Precisamos lutar por um transporte 100% estatal e que sejam os trabalhadores do transporte e a população que utiliza o serviço a decidir os rumos de sua gestão, e não essas máfias e governos corruptos.




Tópicos relacionados

Marcelo Crivella   /    Rio de Janeiro   /    Sociedade   /    Transporte

Comentários

Comentar