Política

CRIVELLA MENTE

Crivella atrasa décimo terceiro dos servidores do Rio para financiar sua Igreja

quinta-feira 30 de novembro| Edição do dia

O prefeito-bispo, além de cortar o financiamento de todas as manifestações culturais dos negros ou dos LGBT no Rio, também inovou atrasando o pagamento do décimo terceiro dos servidores da prefeitura do Rio de Janeiro. É a primeira em anos que o décimo terceiro atrasa. Normalmente ele é dividido em uma parcela paga em julho e outra em dezembro, mas a primeira parcela foi paga apenas neste dia 23 de novembro (quinta), sem previsão da segunda.

Professores, médicos, enfermeiros, garis, trabalhadores dos tribunais e cartórios, hospitais e escolas, e além destes, os aposentados da prefeitura do Rio, ficaram na mão com o prefeito que atrasou a primeira parcela em 4 meses. Já a Igreja Universal do Reino de Deus e outras Igrejas, pentecostais ou não, como a Assembleia de Deus e outras, lucraram muito com esta "gestão austera" do bispo-prefeito.

Não apenas o filho "Crivellinha" ganhou cargo em sua gestão, mas também pastores, doadores de campanha e candidatos derrotados do PPRBB de Crivella, ganharam cargos de confiança dentro da COMLURB, companhia municipal de limpeza urbana. Veja aqui.

Além disso, Crivella decretou que Igrejas agora são de "Utilidade Pública", podendo concorrer a editais e receber investimento direto da prefeitura, ter mais isenções de impostos do que já tem. Afinal, a "crise" do Rio não e para todos: não podem faltar os 10% da Universal. Veja aqui.

Mas Crivella não dá só "coisa fina" para as Igrejas, segundo uma denúncia anônima, até concreto para obra da Universal a prefeitura do Rio teria dado. A obra estaria ocorrendo na Praça do Catolé do Rocha, em Vigário Geral. Veja aqui.

E assim segue a gestão do prefeito-bispo da IURD no Rio, beneficiando empresários, capitalistas da fé e capitalistas em geral, como a mafia dos transportes que recebeu R$ 71 milhões de isenção fiscal para cortar os bilhetes únicos e oferecer um serviço de péssima qualidade com exploração dos rodoviários e sem ar condicionado.

Com cortes na saúde, que deixaram milhares de trabalhadores da saúde sem receber, na educação, ataques à cultura negra e aos LGBT enquanto beneficia pastores, capitalistas e corruptos.




Tópicos relacionados

Marcelo Crivella   /    Política

Comentários

Comentar