Internacional

ISRAEL X GAZA

Crise política em Israel: o ministro da Defesa renunciou após a trégua em Gaza

O ultra direitista Avigdor Lieberman, ministro da Defesa de Israel, demitiu-se após o cessar-fogo na Faixa de Gaza e pediu eleições antecipadas. Crise no governo de Benjamin Netanyahu.

Juan Andrés Gallardo

Buenos Aires | @juanagallardo1

sexta-feira 16 de novembro| Edição do dia

O ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, renunciou ao cargo na quarta-feira e pediu eleições antecipadas, provocando uma grande crise política no governo de Benjamin Netanyahu.

O deputado de extrema-direita Lieberman questionou Netanyahu por aceitar um acordo de cessar-fogo na Faixa de Gaza, no qual eles estavam bombardeando os últimos dois dias com um saldo de mais de uma dezena de palestinos mortos.

A fúria desencadeada por Lieberman não implica que Netanyahu seja um pacifista, muito pelo contrário. O primeiro-ministro está longe de ser uma "pomba" e realizou operações brutais contra a população palestina, particularmente contra a Faixa de Gaza, como a Operação Margem Protector em 2014, no qual 2.300 palestinos foram mortos.

Ver também: Ataques israelenses contra os palestinos agravam a situação na Faixa de Gaza

A disputa no governo israelense estão entre a formação direitista de Netanyahu, o Likud e a extrema direita de Lieberman, do partido Israel Beitenu.

Lieberman não apenas renuncia, tirando o apoio parlamentar do seu partido para Netanyahu mas apela a eleições antecipadas sob a desculpa de que o primeiro-ministro iria apresentar o "terror" do Hamas, a organização palestina que dirige a Faixa de Gaza e que Israel acusa de terrorista

Embora Netanyahu possa garantir a continuidade de seu governo, a saída de Lieberman deixa a coalizão com uma estreita maioria de 61 deputados em uma Câmara de 120 assentos.

Ele disse aos repórteres que Lieberman argumentou sua decisão em duas divergências fundamentais: o primeiro é a decisão na semana passada por Netanyahu para permitir a entrada em Gaza de 15 milhões de dólares para pagar salários de funcionários do Hamas e, segundo, a aceitação na terça-feira uma trégua após 48 horas de confrontos, sendo que em sua maioria eram bombardeios israelenses na Faixa de Gaza.

A disputa interna com Lieberman juntou na tarde a disputa com outro de seus aliados. O ministro da Educação, Naftali Bennett, do partido Hogar Judío (nacionalista religioso) ameaçou retirar sua formação da coalizão governamental se ele não for nomeado novo ministro da Defesa.




Tópicos relacionados

Faixa de Gaza   /    #ResistePalestina   /    Palestina   /    Estado de Israel   /    Conflito Palestina-Israel   /    Israel   /    Internacional

Comentários

Comentar