Internacional

União Europeia

Crise da UE: o eixo franco-alemão diante dos nacionalismos

Merkel e Macron tiveram uma reunião bilateral neste domingo em que deram detalhes do plano para fortalecer a União Europeia, especialmente em questões de política econômica e segurança. Com seu próprio orçamento para a zona do euro e um exército comum, eles tentarão enfrentar os eurocépticos.

segunda-feira 19 de novembro| Edição do dia

Apenas a expressão de um desejo?

Angela Merkel e Emmanuel Macron continuam a sua linha ofensiva de uma maior integração europeia frente ao "nacionalismo e fanatismo" que se expressa tanto fora como dentro do bloco europeu. O plano inclui um aprofundamento da zona do euro aumento da vigilância nas fronteiras e até mesmo seu próprio exército, desafiando Donald Trump, sócio sênior da OTAN e que era crítico da iniciativa.

O chanceler alemão e o presidente francês realizaram uma reunião bilateral no domingo, em Berlim, antes das próximas eleições para o Parlamento Europeu, que serão realizadas em seis meses.

"Temos de trabalhar no sentido de criar um verdadeiro europeu exército um dia", Merkel disse aos deputados na semana passada após a comemoração em Paris do centenário do armistício que encerrou a Primeira Guerra Mundial. Segundo o chanceler, as forças armadas comunitárias "mostrariam ao mundo que nunca haverá guerra entre os países europeus" e seriam "um bom complemento" para a OTAN.

Enquanto isso, Macron disse que, se os europeus aumentam seu orçamento militar é para "construir" a sua autonomia, não para "comprar armas americanas" contra as palavras de Trump, que consideravam "muito insultante" que o presidente francês, propusesse um exército europeu "para se proteger dos EUA, China e Rússia". Além do exército europeu, Merkel propôs um "Conselho de Segurança" de presidência rotativa e melhorar a política externa da comunidade.

Como para a política económica, a chanceler alemã disse que temos de continuar a trabalhar no plano apresentado pela França e Alemanha em Junho passado em Meseberg, que estabelecia centralmente a criação de um orçamento para a zona euro que financiasse investimentos e ajudar a ajudasse a estabilizar zona do euro, além do orçamento plurianual da União Europeia. Além disso, ela disse que é "essencial" estabelecer um imposto digital e desenvolver novas tecnologias para lidar com potências como a China.

Macron, por sua vez, fez alusão, assim como fez em um discurso anterior ao Bundestag, a câmara baixa do Parlamento alemão, por ocasião do Dia Nacional de Luto, à "responsabilidade franco-alemã para preparar o futuro e refundar a europea" para torná-lo mais soberana e unida, já que "há muitos poderes que querem parar a Europa" e que tentam colocar seus membros uns contra os outros. Nesta ordem mundial, que deve ser levada muito a sério, "nossa verdadeira força está na unidade", disse ele.

Segundo o presidente francês, a UE tem de aceitar que existem "ritmos diferentes" e certas alianças, mas que estes devem sempre ser criados "num espírito de transparência mútua" e tendo em consideração "os interesses de uma Europa unida".

Ele criticou que a política de fronteiras, a defesa comum, o mundo digital e a independência monetária são áreas negligenciadas pelas leis europeias e disse que a UE "aborda essas questões com o medo de um iniciante".

A proposta do eixo franco-alemão foi enviada quinta-feira passada para o resto dos parceiros europeus. A Espanha e a Itália seriam as mais entusiastas, enquanto a Holanda e a Finlândia que colocam mais objeções. O acordo sobre as características desta nova UE deve ser antes de maio, quando acontecem as eleições europeias.

Para Macron "desde Europa vêm novas abordagens no multilateralismo em termos de comércio, política de segurança, política de migração e política ambiental". "A Europa, e no seu centro a aliança franco-alemã, tem a obrigação e a tarefa de não deixar o mundo mergulhar no caos e levá-lo a um caminho pacífico", afirmou. Para isso, ele reiterou: "A Europa deve conquistar uma soberania maior" e não ficar satisfeita com um papel secundário na política mundial.

Será necessário ver em que medida os planos de Merkel e Macron conseguem se impor no bloco europeu contra o crescimento das variantes populistas da extrema direita e o crescimento dos nacionalismos. O confronto com Trump, especialmente em relação à segurança, expressa a vontade do eixo franco-alemão de fortalecer a UE e, por sua vez, suas posições de poder dentro dela. Difícil em um mundo que continua passando por uma crise econômica e um reordenamento global. Nem Merkel nem Macron são populares em seus próprios países e não se sabe como conseguirão se consolidar a nível europeu em um bloco cada vez mais enfraquecido, como mostra o Brexit, e que não vislumbra um futuro brilhante.




Tópicos relacionados

Emmanuel Macron   /    União Européia (UE)   /    Alemanha   /    Brexit   /    França   /    Europa   /    Internacional

Comentários

Comentar