GENOCÍDIO

Criança de 8 anos é nova vítima da política de segurança assassina do Rio, quantas mais precisarão morrer?

Menina Anna Carolina de Sousa Neves foi morta dentro de casa enquanto estava deitada no sofá de sua casa assistindo TV com sua família. É mais uma criança vítima da política de segurança assassina de Witzel.

sábado 11 de janeiro| Edição do dia

Ano passado ao menos 6 crianças foram mortas em operações policiais no Rio de Janeiro. Anna Carolina de Sousa Nunes é mais uma a entrar para essa cruel estatística. Segundo a Polícia Militar, não havia operação na região.

Anna e seus familiares moravam em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. A menina de 8 anos chegou a ser levada para o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, mas não resistiu aos ferimentos. O velório ocorreu hoje, dia 11 de janeiro.

Segundo o Blog do Esmael, moradores questionaram policiais a respeito dos disparos quando o pai de Anna Carolina carregou a menina nos braços até uma viatura.

Independentemente da origem ou não do projétil que a atingiu o prognóstico certeiro é de que a política de segurança implementada é fadada a situações cruéis como esta. O próprio governador do Rio de Janeiro, o racista Wilson Witzel já afirmou que inocentes morreriam. Para ele, vidas de crianças como Anna Carolina de nada importam. Enquanto houver corpos estirados nas periferias e favelas e hajam demonstrações públicas cínicas de “melhorias” da segurança pública, muitas crianças, jovens e trabalhadores das periferias e favelas seguirão morrendo. Para a burguesia que dá as cartas da política econômica e social no Rio as vidas que importam são aquelas que estão do Túnel Rebouças pro sul. As vidas negras da periferia são dignas de menos que notas de rodapé.

Assim seguimos uma política com a cara de Brasil, que segue a linha perpetuada por anos de escravidão e racismo e que de avanço mesmo só tivemos as folhinhas dos calendários sendo arrancadas. Quantas notas escrevemos ao longo dos anos de inocentes sendo mortos nas favelas? Corpos sendo arrastados, como de Cláudia Ferreira em março de 2014, ou dos 111 tiros dos meninos de Costa Barros, em Novembro de 2015. Vários dos culpados diretos por essas barbáries seguem com suas vidas transcorrendo em plena tranquilidade. E aqui não aponto nem diretamente os capachos do sistema, os policiais militares que perpetraram essas ações. Falo diretamente da mão que também aperta por trás esses gatilhos. A mão imensa genocida e racista da burguesia brasileira. Que sadicamente parece rir do nosso sangue escorrendo pelos ralos.

Burguesia essa que impõe esse controle de natalidade às avessas com mortes e mais mortes.

Acreditar que haja solução por dentro desse sistema putrefato é acreditar que esta mesma burguesia nacional, vassala das burguesias imperialistas internacionais, surpreendentemente iria querer que vivêssemos em plenos condições de igualdade e liberdade que seus filhos. Mas para esse sistema sobreviver como está, alguns têm de morrer para que se tenha mais lucro para os outros.

Que essa linha seja invertida para que nossos filhos não sejam vítimas também desse sistema cruel.




Tópicos relacionados

genocídio juventude negra   /    Rio de Janeiro   /    [email protected]

Comentários

Comentar