Costa Rica: Jornada de mobilização na segunda semana de greve contra a reforma tributária

Os últimos dias na Costa Rica, desde as mobilizações maciças da semana passada, foram marcados pela continuidade da greve geral realizada por diferentes sindicatos e setores de trabalhadores contra a reforma fiscal imposta pelo FMI, que o governo de Carlos Alvarado pretende aprovar.

quinta-feira 20 de setembro| Edição do dia

Nove dias de uma greve geral indefinida ocorreram na Costa Rica e as manifestações continuam em grande parte do país, com a participação de diferentes sindicatos, entre os quais professores, trabalhadores dos transportes, serviços, entre outros.

Os trabalhadores na Costa Rica entram na segunda semana de greve geral, onde nos últimos dias a polícia interveio - sob as ordens do governo de Carlos Alvarado - com gás lacrimogêneo para limpar os bloqueios que foram mantidos em estradas e instituições públicas. A escassez de combustível em diversas áreas do país também marcou os últimos dias da greve, onde a rejeição do projeto de lei da reforma tributária se expressa maciçamente nas ruas, aguardando a aprovação do voto na Assembléia Legislativa a partir desta terça-feira.

Professor: Há muito abuso do governo em relação à classe trabalhadora; nós somos aqueles que ganham menos e pagam mais. Mas desta vez o povo está lutando.”

O ministro da Segurança, Michael Soto, anunciou no início do dia que, no início da segunda semana da greve, "as autoridades não tolerarão mais danos à livre circulação de cidadãos e mercadorias no país". A declaração é apenas uma amostra da aposta do governo contra a medida antipopular que visa aumentar a cesta básica, elevar o imposto sobre valor agregado para 13% e afetar a qualidade de vida de milhões de famílias de trabalhadores.

A posição do governo de Alvarado foi, em primeiro lugar, sustentar a ilegalidade da greve quando centenas de milhares de trabalhadores, classes populares, estudantes e jovens costarriquenhos se comprometeram com a mobilização desde o início do processo de greve, um direito legítimo e método histórico da classe trabalhadora. Agora, tenta ameaçar com maior repressão e confronto social, no entanto, os trabalhadores têm a última palavra: a greve é sustentada com a mobilização.

Jimena estudante da UCR: Os sindicatos têm sua posição diante da reforma tributária e os estudantes devem apoiá-los. Para a repressão anunciada pelo governo, acho que temos que ir além da saída, temos que agir contra a repressão e continuar lutando para impedir que votem nesse plano.”

Enquanto aguarda a votação para aprovar a reforma fiscal na Assembléia Legislativa, é necessário alertar sobre quaisquer negociações com a classe trabalhadora e os setores que atualmente estão lutando. Fortalecer a greve geral com mobilização independente, confiando em nossas próprias forças e colocando este diante de qualquer iniciativa de desvio institucional por parte da Igreja Católica e das lideranças sindicais relacionadas aos interesses do governo, será o verdadeiro caminho para deter os planos do regime costa-riquenho.

Por essa razão, é essencial promover um plano de luta unitária que reúna todos os sindicatos e trabalhadores de todos os setores estratégicos da economia da Costa Rica, a fim de deter o ajuste e derrubar a reforma fiscal do FMI. Isso deve ir de mãos dadas com a extensão da solidariedade mais ampla e conquistar outros setores da sociedade, como é o caso dos estudantes e da juventude costa-riquenha, que enfrentam a repressão e podem se tornar o grande aliado para essa luta triunfar.




Tópicos relacionados

Trabalhadores   /    Fundo Monetário Internacional - FMI   /    Greve

Comentários

Comentar