Internacional

IMPERIALISMO

Coronavírus: o imperialismo francês leva a África ao desastre

O domínio das potências imperialistas sobre a África, incluindo a França, apenas tornou o continente mais vulnerável a epidemias e crises econômicas.

sexta-feira 27 de março| Edição do dia

O Mali acaba de registrar seus dois primeiros casos de Covid-19 no país. Os alarmes foram imediatamente ativados no país. Uma mulher de 49 anos e um homem de 62 anos retornando da França deram positivo. Eles foram colocados em confinamento solitário. Mas levantou a preocupação dos habitantes e das autoridades. Ao mesmo tempo, Burkina Faso acaba de declarar sua primeira morte devido às conseqüências do coronavírus. Embora o número exato de pessoas infectadas seja muito difícil de estabelecer em todo o continente (o número de casos confirmados é estimado em pelo menos 720 e 20 mortos), é verdade que eles são mais baixos do que na Europa. No entanto, o mais preocupante é a falta estrutural de preparação, devido ao subdesenvolvimento desses países, para enfrentar essa epidemia.

Populações enfraquecidas pelo subdesenvolvimento estrutural

No Mali, houve declarações conflitantes sobre a infraestrutura de saúde. Em um documento, por exemplo, se fala de apenas um respirador artificial em todo o país; enquanto o ministro da saúde diz que existem 56 e 37 leitos de terapia intensiva, o que contradiz as declarações do primeiro-ministro B. Cisse, que fala de apenas vinte leitos. Em relação ao álcool gel, o país possui apenas 500.000 litros, 59 termômetros infravermelhos e apenas 2.000 kits de teste.

Como podemos ver, as condições não são suficientes de forma alguma para enfrentar uma grave crise de saúde. E esta situação está longe de ser limitada apenas ao Mali. Todos os países africanos estão em uma situação em que os sistemas de saúde não poderão responder a uma emergência como a que está se espalhando pela Europa. Levando em conta a proporção de acordo com o número de médicos: enquanto a Itália possui 41 médicos para cada 10.000 habitantes (e vendo a situação dramática do país), na África, há apenas 1 médico para cada 10.000 habitantes.

Além de problemas estruturais com infraestrutura de saúde e falta de pessoal e equipamentos hospitalares, vale mencionar os milhões de pessoas vulneráveis ao vírus. De fato, existem mais de 24 milhões de pessoas vivendo com HIV e, conseqüentemente, elas têm um sistema imunológico fraco; Milhões de pessoas também têm tuberculose, para não mencionar os milhões de pessoas desnutridas. Todos esses fatores os expõem a uma possível epidemia de Covid-19 no continente.

Dependência econômica em tempos de crise

Mas a África não é apenas ameaçada por um possível desastre de saúde; isso também se deve às conseqüências econômicas catastróficas ligadas à pandemia, cujo epicentro é a Europa hoje. Segundo a Comissão Econômica das Nações Unidas para a África, o crescimento da África para este ano cairá de 3,2% para 1,8%. Além disso, o fechamento da economia nos principais países imperialistas já está causando a desvalorização de certas moedas nacionais, o que terá conseqüências diretas no pagamento dos vencimentos das dívidas nacionais. A desaceleração da economia chinesa também terá consequências para a demanda por matérias-primas africanas.

Vemos que o subdesenvolvimento na África está expondo milhões de vidas à emergência de saúde que o planeta enfrenta. Mas esse subdesenvolvimento africano não é resultado de "acaso" ou "leis naturais". É o resultado de anos, séculos, de dominação colonial e imperialista, dos quais a França tem sido e continua sendo um dos principais atores. As poucas potências imperialistas que dominam o planeta mantiveram o continente africano em completo subdesenvolvimento através do saque sistemático de seus recursos naturais; da exploração da força de trabalho de suas populações; da associação com classes dominantes locais completamente reacionárias à mercê dos interesses dos capitalistas estrangeiros; mantendo um controle feroz sobre os explorados em seus países.

Uma crise de saúde agravada pela presença imperialista

Dissemos que a França desempenhou e ainda desempenha um papel muito especial na manutenção dessa situação prejudicial para os trabalhadores, camponeses e todos os africanos oprimidos. Não contente com o saque dos recursos naturais africanos, o imperialismo francês mantém uma presença militar permanente em vários países do continente. Precisamente para garantir o controle das matérias-primas necessárias para as multinacionais francesas, mas também para garantir o domínio de regiões geopolíticas estratégicas que enfrentam outras potências. Assim, entre a presença permanente de bases e missões militares como "Barkhane" no Sahel, a França mantém mais de 9000 soldados na África, especialmente no território de suas antigas colônias.

Os movimentos de independência africanos - quando não foram sabotados de dentro por agentes do imperialismo francês - não questionaram a dominação econômica, política e militar da antiga potência colonial francesa. Pelo contrário, a política colonial visava, entre outras coisas, impedir que os territórios colonizados se tornassem economicamente autônomos e se desenvolvessem. Desse modo, independência significava apenas "a liberdade do escravo de passar fome" e as nações independentes continuavam totalmente dependentes da França.

Um dos mecanismos dessa submissão eram dívidas com instituições internacionais como o Banco Mundial ou o FMI ou diretamente com o antigo país colonizador. No caso da França, podemos mencionar o "sistema franco CFA" (Comunidade Financeira Africana) que permite que Paris tenha controle direto sobre as moedas nacionais de suas antigas colônias. É uma moeda comum, semelhante ao euro, usada por várias das ex-colônias.

Assim, diante da epidemia que ameaça a África, vemos que o imperialismo francês não faz parte da solução, mas, ao contrário, parte integrante do problema. São os anos de dominação e submissão dos países africanos que os tornam mais vulneráveis às crises que os ameaçam.

A presença militar francesa e a de outras potências imperialistas no continente merece menção especial. Essa presença militar permanente não é apenas uma fonte de arbitrariedade, crimes, violência, gênero e violência sexual, humilhação; é também, no contexto atual, que pode se tornar uma fonte de contaminação para as populações locais. De fato, o Djibuti confirmou na semana passada seu primeiro caso de Covid-19, era um membro espanhol de uma missão militar. Quanto tempo falta para os soldados da França chegarem infectados em uma de suas missões no exterior, contaminando a população local?

É por esse motivo que devemos exigir, mais do que nunca, a retirada de todas as tropas francesas da África e de todos os territórios onde estão implantados para proteger os interesses das grandes fortunas, responsáveis pela destruição de hospitais na França e que expõe milhões de pessoas aos perigos da epidemia.

O movimento operário francês também deve exigir o cancelamento da dívida dos países africanos. Essas dívidas já mataram muitas pessoas no continente.

Na própria França, enfrentamos uma crise muito séria na gestão da epidemia. Enquanto milhões de pessoas estão confinadas, outras são forçadas a trabalhar para produzir bens de baixa prioridade no momento. Enquanto os hospitais não dispõem de máscaras, gel, respiradores, camas e pessoal. Se hospitais e indústrias estivessem sob controle dos trabalhadores, condições higiênicas poderiam ser impostas para proteger a saúde dos trabalhadores e a produção seria transformada para responder à crise da saúde. Este poderia ser o primeiro passo para criar solidariedade internacional e que nenhum país careça do equipamento necessário para enfrentar a epidemia.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Imperialismo   /    Internacional

Comentários

Comentar