Internacional

Coronacrise: a guerra entre classes não entra em quarentena!

sexta-feira 10 de abril| Edição do dia

Os pacotes bilionários implementados por muitos países diante de uma crise sem precedentes não evitarão uma gravíssima crise econômica, como não vista há quase 90 anos. Foi assim que a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, falou novamente na quinta-feira, alertando que a crise global causada pela pandemia do coronavírus terá "as piores consequências econômicas desde a Grande Depressão". E "assim como a crise da saúde afeta mais fortemente as pessoas mais vulneráveis, o pior da crise econômica cairá sobre os países mais vulneráveis", acrescentou.

Há três meses, o FMI esperava crescimento econômico em 160 de seus países membros este ano, enquanto hoje prevê que 170 encerrem o ano com quedas.

Segundo as estimativas do órgão, sustentou Giorgieva, os países emergentes sofreram nos últimos dois meses uma fuga de capital que já ultrapassa os US $ 100 bilhões. Isso excede três vezes o que aconteceu em um período equivalente durante a crise de 2008. Os “exportadores de commodities estão sofrendo um duplo impacto devido ao colapso do preço das mesmas", acrescentou.

O chefe do FMI sustentou que o cenário base é uma recuperação em 2021, mas enfatizou que “há uma tremenda incerteza em torno da previsão; Poderá piorar dependendo de muitos fatores variáveis, incluindo a duração da pandemia ".

Massivas destruições dos empregos

As previsões do FMI sobre o emprego se agregam às feitas na terça-feira pela Organização Internacional do Trabalho. Em seu relatório recente, afirmou que, no segundo trimestre do ano, a perda mundial de empregos poderá atingir o equivalente às horas trabalhadas por 195 milhões de funcionários assalariados, embora, de acordo com o relatório, seja esperado que parte dessas posições seja recuperada quando pandemia passar. A previsão de um desemprego global de 25 milhões de trabalhadores para o final do ano, feito por essa organização semanas atrás, certamente se mostrará muito curta.

Ontem também foi revelado que outros 6,6 milhões de americanos solicitaram seguro-desemprego, o que aumenta o número assustador de 16,8 milhões de trabalhadores que solicitaram o benefício nos EUA em apenas três semanas. A taxa de destruição de empregos causada por esta crise na principal potência imperialista não conhece nenhum precedente.

Quem paga a crise?

A linha de ação dos governos, para conter o colapso da economia como resultado das medidas impostas para enfrentar a pandemia, tem sido principalmente injetar dinheiro nas empresas: pagamento de salários total ou parcialmente pelo Estado, redução de impostos ou adiamento de vencimentos, créditos subsidiados etc. Ao mesmo tempo, as transferências pessoais aumentaram para setores que não têm renda regular, concedendo um valor mais alto ao seguro-desemprego ou implementando transferências de emergência (como a Renda familiar de emergência implementada aqui [Argentina]. Essas medidas foram comparadas a uma "economia de guerra". Mas elas não são nada parecidos com isso em um aspecto fundamental: espera-se que a eventual recuperação seja assegurada pelas empresas que, apesar das injeções fiscais, emergirão da crise mais endividadas ou diretamente quebradas. Em vez desse socorro ao capital privado, direcionar recursos para investimentos públicos em larga escala (que inclui questionar a propriedade dos principais meios de produção) é a única coisa que nos permitirá sair do poço da Depressão que já se avista num horizonte próximo.

Os mesmos empresários que os Estados estão empenhados em salvar e, para quem o Tesouro tem injetado recursos generosos para conter a situação enquanto a crise sanitária avança, esses empresários têm mostrado que não vão esperar o coronavírus passar para imporem sua saída à crise. Salários baixos (por enquanto "momentâneos", mas que, podemos antecipar, estabelecerão uma estrutura para a discussão pós-crise) e os desligamentos são a norma em todo o mundo. Isso é paralelo ao esforço de retomar a atividade nos setores em que foi suspensa (algo que varia muito em cada país), embora isso signifique arriscar vidas. Já sabemos: o capital, como um vampiro que não extrai sangue, mas excesso de trabalho, não vive, não é valorizado, se a atividade econômica não continuar sua marcha. Isso podemos ver em todos os países.

Aqui, foi adicionado ontem um novo capítulo na província de Buenos Aires. O frigorífico Penta se recusou a pagar salários e iniciou um lockout para impor demissões. Isso, apesar do fato de que, desde a semana passada, houve um decreto que supostamente impediria essa ação (e que numerosas patronais têm mostrado todos os dias que a ignoram aos montes. Do McDonald’s e Danica ao "miserável" de Paolo Rocca, que conseguiu o acordo da burocracia sindical para endossar o arremesso de 1.500 funcionários da Tecpetrol). Houve alguma repreensão do presidente Alberto Fernández ou do governador Axel Kicillof? Não! Pelo contrário, a patronal contava com a assistência da polícia de Berni em Buenos Aires, que caiu com toda a força em cima dos trabalhadores. Força essa que nunca se manifestou contra nenhuma patronal que não cumpre o decreto de proibição de demissões. Pelo menos um trabalhador foi hospitalizado em estado grave, resultado da repressão.

A lógica dos patrões é muito simples: se houver crises, deixe que os outros paguem por isso. O Estado deve despejar recursos em massa, conceder créditos, patrocinar algum alívio nas dívidas do sistema financeiro (o que também exige, em troca, que o estado pague qualquer "perdão" de crédito com mais subsídios ou fundos de garantia). E, ao mesmo tempo, os funcionários assalariados, que em tempos normais criam com o trabalho diário a única fonte da qual surgem os ganhos empresariais, devem a partir de agora aceitar a ideia de que terão que renunciar a todo ou parte de seus salários durante essa crise. Manter o "privilégio" de continuar no futuro enriquecendo seus empregadores. A partir de agora, a perspectiva de cortes salariais que persistirão para além da crise, paira no ar.

Diante dessa chantagem, o governo fez gestos duros na semana passada que se mostraram impotentes, enquanto implementava resoluções cujo único objetivo era tentar adiar os conflitos de fundo em alguns meses. Os empresários mostraram que esperar não é uma alternativa. É necessário responder à altura desses ataques das patronais, para impedir qualquer tentativa de demissão ou redução de salários.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Luta de Classes   /    classes sociais   /    Internacional

Comentários

Comentar