Educação

CORTE NA MERENDA

Contrariando vários relatos de professores, secretário de Doria fala que corte de merenda é Fake News

quarta-feira 16 de agosto| Edição do dia

Alexandre Schneider, secretário da educação de São Paulo, pela gestão do prefeito-empresário João Doria, dedicou um post na sua página para tentar “desmentir” a denúncia que professora Marcela Campos fez em relação ao corte nas merendas escolares.

Chamando de FakeNews produzida por “sites de oposição” (nós somos), propositalmente. Sim com o propósito de expressar uma realidade confirmada por dezenas de professores do município, que não precisam de um edital para saber como está a situação na sua própria escola.

Além disso, buscou reforçar a posição mentirosa de Dória (que acaba confirmando o corte nas merendas) que diz que, não só não faltavam merenda nas escolas, como o cardápio estaria mudando para fornecer uma dieta “mais saudável” aos alunos e “combater a obesidade”. Balela, como ficou expresso em diversos relatos que recebemos ao publicar a denúncia da professora Marcela.

Saiba mais: Denúncia contra Dória sobre merenda nas escolas gera revolta nas redes sociais
No próprio post de Alexandre há manifestações nesse sentido, colocando que na prática esse “cardápio mais saudável” que proíbe a repetição “apenas de alimentos não saudáveis”, se dá diminuição da quantidade de merenda entregue, de modo que uma alimentação saudável é ainda algo a se sonhar nos colégios, pois nem mesmo repetir o lanche as crianças estão podendo. As merendeiras são orientadas a negar comida às crianças! Nesses relatos, muitos negam que se quer existam certos tipos de alimentos apresentados pelo edital descrito na publicação.

Ninguém cai nesse jogo do Doria quando está na realidade da maioria das escolas do município de São Paulo. Ele e seu secretário querem nos enganar, enquanto contingenciam uma grande parte da verba destinada à educação, que levou a esse corte na merenda que se expressa nos colégios, mas antes já havia cortado no Leve Leite, nos materiais escolares, nos espaços didáticos, além de estar encerrando o contrato de professores em 6 meses!

A situação da educação pública na cidade de São Paulo já está revoltante à bastante tempo! Temos e podemos transformar essa revolta em luta pela educação e pela saúde das nossas crianças! Até porque, não é só em São Paulo que está assim, nas escolas estaduais, nas universidades, a educação está sendo atacada pelo governo Alckmin, todos aliados diretamente com o governo Temer, sustentando a sua governabilidade de ataques que terceirizam, precarizam, tiram o dinheiro e, assim, sucateiam a da educação, até vende-las aos tubarões da educação privada.

Por isso chamamos todos os professores ao Encontro de Professores, no próximo sábado dia 19, às 15 horas, na Casa Socialista Karl Marx (metrô Vila Madalena). Nossa educação vale mais que o lucro deles!

Se interessou no encontro? Saiba maisem: Por que ir ao Encontro de Professores no dia 19 de agosto?




Tópicos relacionados

João Doria   /    Educação   /    São Paulo (capital)

Comentários

Comentar