Política

REFORMA TRABALHISTA

Contra os trabalhadores Barroso vota à favor da constitucionalidade da Reforma Trabalhista

Barroso, que faz parte da Ala golpista do judiciário, vota a favor da constitutionalidade da Reforma Trabalhista atacando os trabalhadores.

Isabela Santos

Estudante de Serviço Social da UERJ e coordenadora do Centro Acadêmico de Serviço Social da UERJ - CASS

sexta-feira 11 de maio| Edição do dia

O Supremo Tribunal Federal, que é composto por Juízes que ninguém elegeu e que são cheios de privilégio supersalários, iniciou nesta quinta feira (10/05) o debate sobre a Ação Direta de Inconstitucionalidade de alguns pontos da Reforma Trabalhista. A ação foi movida pela Procuradoria Geral da República, PGR, alegando a inconstitucionalidade de alguns pontos como o que se refere a imposição de restrições a garantia de acesso gratuito a justiça.

A reforma trabalhista dos golpistas e seus empresários garante que caso os trabalhadores percam ações judiciais contra seus empregadores, tenham que pagar pelos custos da ação. Além de acabar com diversos direitos dos trabalhadores, como o direito das mulheres grávidas não trabalharem em locais insalubres, a reforma ainda permite que os trabalhadores sejam obrigados a pagar por exigir seus direitos.

Juiz condena trabalhadora a pagar R$67,5 mil ao Itau seguindo reforma trabalhista

Reforma trabalhista obriga trabalhador rural a pagar R$8.500 por exigir seus direitos

Isso em um país com um poder Judiciário que age de maneira arbitrária e se coloca de forma cada vez mais autoritária contra os trabalhadores para decidir os rumos da política do país.

O caso tem como relator o Juíz Luis Roberto Barroso, o mesmo que votou a favor do golpe institucional e que dá declarações contra a educação pública, agora vota pela constitucionalidade desse absurdo da Reforma Trabalhista. Barroso que compõe a ala abertamente golpista da alta côrte do Judiciário deu seu voto favorável à prisão arbitrária de Lula alegando se tratar de uma "renovação" do país. Agora, para votar favorável aos empresários e contra os trabalhadores e alega que vota pelo “bem do país”. Sem nenhuma vergonha, alega que seu voto se baseia em uma conclusão após ouvir um importante líder de uma empresa. Não serão esses empresários que serão prejudicados e que se endividarão para pagar os honorários advocatícios das ações que perderem, recebendo salários de miséria.

Descaradamente mais uma vez Barroso vota contra os trabalhadores e afirma que seu voto não significa estar do lado dos mais ricos. Enquanto isso segue sendo parte de manter uma reforma que só veio para para legalizar os abusos dos patrões com seus trabalhadores e garantir mais lucros às empresas que enriquecem com o nosso suor.




Tópicos relacionados

Reforma Trabalhista   /    Poder Judiciário   /    Política

Comentários

Comentar