CORTES NA EDUCAÇÃO

Contra os cortes de verba, servidores técnico- administrativos da UFSC declaram estado de greve

Após reunião na tarde de quinta-feira, 12/09, os servidores técnico-administrativos da UFSC declararam estado de greve. Na segunda-feira, 16/9, farão um dia de paralisação e, com assembleia já marcada para terça-feira, 17/09, devem votar a adesão da categoria para a greve. Vale ressaltar que, desde terça, os estudantes já entraram em greve contra os cortes de verbas na instituição.

sexta-feira 13 de setembro| Edição do dia

Neste final de semana haverá, em Brasília, uma reunião da entidade que representa todos os servidores técnicos de universidades federias do país (FASUBRA) e está na pauta a votação de uma greve de todos os servidores nacionais.

A UFSC está com 30% dos recursos bloqueados pelo MEC, sem condições de arcar com as despesas de limpeza, de energia elétrica e de manutenção. Soma-se a isso o corte de bolsas do CNPq e da CAPES, o que precariza as pesquisas e a situação dos estudantes da graduação e da pós-graduação. O governo de Bolsonaro aponta como saída a adesão ao Programa Future-se, que é, na verdade, uma forma de privatizar todos os recursos das universidades, desde a pesquisa, o pagamento de salários e até os prédios e maquinários.

Os terceirizados, dentro das universidades, fazem parte do setor com os piores salários, ocupando os cargos mais precarizados, como o da limpeza. Esses cortes também podem afetar diretamente em seus salários e empregos, ocasionando demissões em massa, principalmente das mulheres e negras, que são a maioria entre os terceirizados no país.

É necessário que a luta dos estudantes e dos trabalhadores das universidades – técnicos, professores e terceirizados – seja só uma. Que as centrais sindicais e estudantis e rompam com a paralisia e convoquem assembleias unificadas contra os cortes e por uma universidade verdadeiramente pública, contra os cortes, contra o famigerado Projeto Future-se, sem o filtro social do vestibular e com a contratação de todos os terceirizados.




Tópicos relacionados

Governo Bolsonaro   /    Crise na Educação   /    Ministério da Educação

Comentários

Comentar