Gênero e sexualidade

Contra o feminicídio, em memória de Mayara Amaral

Essa sexta feira, aconteceu em São Paulo, um ato em homenagem a Mayara Amaral, contra o feminicídio e por nenhuma a menos

Mariana Duarte

Estudante de Letras da USP

sexta-feira 4 de agosto| Edição do dia

Hoje o Pão e Rosas esteve no ato contra o feminicidio e em memória de Mayara Amaral, uma jovem que foi brutalmente assassinada pelo namorado e mais dois homens.

Mayara era musicista, tinha 27 anos e fazia diversos projetos de pesquisa na área da música. Sua vida foi tirada pelo mesmo machismo que tira a vida de uma mulher a cada uma hora e meia pelo simples fato de ser mulher.

Infelizmente, Mayara é mais uma entre milhares de mulheres mortas por esse sistema que tem como base a exploração e a opressão. Um sistema que tem no Estado seu principal aliado que se omite e não protege as mulheres para que tenham uma vida plena e segura.

Um Estado que não garante direitos mínimos a vida das mulheres, como o direito ao aborto, que faz com que milhares sejam mortas por abortos clandestinos no país, um Estado que se cala ao não reconhecer o feminicidio. O mesmo Estado que há pouco votou a reforma trabalhista, que vem para piorar ainda mais as condições de trabalho das mulheres, que já estão nos postos de trabalho mais precários, nos trabalhos mais degradantes e com os piores salários.

Esse mesmo estado que faz postos de polícia contra a violência doméstica, mas que tem uma das polícias mais machistas e racistas do mundo, que coloca a mulher como responsável pelas violências que sofre e que mata as mulheres negras da periferia. A mesma polícia que assassinou Cláudia em 2014 e a Maria Eduarda de 13 anos dentro de sua escola.

Devemos então canalizar toda nossa dor e ódio a esse sistema que nos oprime, nos viola e nos mata, em luta, por cada mulher que trabalha em condições precárias pra sustentar suas famílias, por cada mulher violentada, por cada mulher assassinada.

E para transformar todo nosso ódio e dor pelo assassinato de Mayara em luta gritamos: NENHUMA A MENOS! Pelo fim desse sistema de miséria e opressão que mutila nossos corpos e nos nega o direito de existência!

Victória e Mariana, em saudação pelo Pão e Rosas, expressam solidariedade aos familiares e amigos, e como nossa dor e ódio deve se transformar em luta contra o machismo e o capitalismo

Em memória de todas as mulheres mortas pela violência machista! Não esqueceremos, elas vivem em nossa luta!
Mayara presente!
Agora e sempre!




Tópicos relacionados

Pão e Rosas   /    Feminicídio   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar