Educação

REPRESSÃO MINAS GERAIS

Contra brutal repressão às professoras em BH, sindicato convoca paralisação e manifestação

Contra a brutal repressão da PM-MG a uma manifestação das professoras e professores da Educação Infantil de Belo Horizonte em greve, ocorrida ontem, o sindicato convocou para amanhã (25) uma paralisação total da rede municipal contra a repressão. As centrais sindicais CUT, CTB e CSP-Conlutas convocam também uma manifestação junto ao Sind-REDE-BH, às 15:00, em frente à Prefeitura.

terça-feira 24 de abril| Edição do dia

Ontem ocorreu uma brutal repressão da Polícia Militar de Minas Gerais contra centenas de professoras que se manifestavam pacificamente em frente à Prefeitura de Belo Horizonte. A PM usou caveirão, jatos d’água, spray de pimenta e bombas de gás lacrimogêneo contra centenas de trabalhadoras e trabalhadores. Dois dirigentes sindicais foram presos, sendo soltos na noite do mesmo dia.

A repressão violenta, de responsabilidade do governador Fernando Pimentel (PT) que comanda a PM no estado, foi apoiada e justificada pelo prefeito Alexandre Kalil (PHS). O prefeito tem mentido na grande mídia sobre o salário das professoras da Educação Infantil para não atender as demandas da greve e vem descumprindo um compromisso de campanha, de equiparação das carreiras entre trabalhadores da Educação Infantil e Educação Fundamental do município.

Amanhã acontecerá uma paralisação total da rede municipal da educação em BH, e também ocorrerá uma manifestação em repúdio à repressão, convocada pelo sindicato junto às centrais sindicais CUT, CTB e CSP-Conlutas:

Veja o evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/1906358076063248/

Veja a nota do sindicato e do comando de greve sobre o ocorrido:

NOTA DE REPÚDIO: Contra forte repressão da PM às professoras da Educação Infantil de BH

LUTAR NÃO É CRIME!

O Comando de Greve da Educação Infantil e a Diretoria Colegiada do Sind-REDE/BH repudiam veementemente a forte repressão do Batalhão de Choque da Polícia Militar de Minas Gerais à manifestação pacífica das professoras da Educação Infantil de BH. As professoras estão em Greve e cobram do prefeito Alexandre Kalil (PHS o cumprimento da promessa de campanha da unificação da Carreira da Educação Infantil à do Ensino Fundamental.

Após a assembleia realizada no início da manhã de hoje, as professoras seguiram em ato pacífico pela cidade até a porta da PBH exigindo que o Prefeito Alexandre Kalil as recebessem para agendar uma reunião e tratar das suas pautas. O prefeito não recebeu as professoras, pelo contrário a manifestação que ocorria de forma pacífica foi brutalmente atacada por ação desproporcional e desmotivada do batalhão de Choque da PM que usou o “Caveirão”, bombas de efeito moral, balas de borracha, sprays de pimenta e gás lacrimogênio contra manifestação pacífica das professoras que lutam pela equiparação da Carreira da Educação Infantil à do Ensino Fundamental. A ação violenta da PM contra a manifestação formada pela maioria de mulheres e também crianças acabou por ferir mais de dez professoras que participavam da manifestação. A repressão se deu justamente após a categoria liberar duas pistas para a circulação. A categoria cumpriu com o acordo de liberação da via e mesmo assim foi duramente reprimida.

Dois Diretores do Sind-REDE/BH foram presos durante a repressão e ainda estão detidos no Juizado Especial.

O Comando de Greve da Educação Infantil e a Diretoria Colegiada do Sind-REDE/BH denunciam e repudiam veementemente a forte repressão do Batalhão de Choque da PM sob contra a manifestação pacífica das professoras da Educação Infantil de BH e sua justa luta pela equiparação da Carreira!

A resposta daremos com uma Greve ainda mais forte que fechará cada UMEI e cada EMEI desta cidade. Convocamos aos demais trabalhadores e trabalhadoras em educação e os movimentos sociais a respondermos coletivamente à repressão de Kalil e Pimentel.

Lutar não é crime!

Comando de Greve da Educação Infantil e Diretoria Colegiada de Sind-REDE/BH




Tópicos relacionados

Minas Gerais   /    Educação   /    Belo Horizonte   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar