Internacional

INTERNACIONAL

Conferência Latino-Americana e dos EUA defende liberdade para Sebastián Romero, preso político na Argentina

segunda-feira 3 de agosto| Edição do dia

Neste final de semana ocorreu a Conferência Virtual Latino-Americana e dos EUA, realizada entre os dias 30 de julho e 1º de agosto, convocada pela Frente de Esquerda e dos Trabalhadores (FIT-U) da Argentina, com a participação de grupos da maioria dos países da América Latina. A Conferência teve ampla divulgação no Esquerda Diário e em outros meios.

Dentre suas resoluções, a conferência aprovou impulsionar a luta pela liberdade de Sebastián Romero, militante do PSTU Argentino e da Liga Internacional dos Trabalhadores. A LIT não participou da convocatória da Conferência, mas realizou uma saudação denunciando a perseguição estatal à Sebastián Romero, que pode ser lida no fim deste artigo ou assistida na página do La Izquierda Diário.

Leia abaixo a resolução na íntegra:

"Condenamos a repressão criminosa contra os povos e trabalhadores em luta na América Latina e nos Estados Unidos; a criminalização das manifestações, os abusos policiais e casos de “gatilho fácil” (assassinatos policiais) e nos pronunciamos pelo pleno direito à mobilização e à luta. Repudiamos a perseguição e as deportações do governo de AMLO no México contra os migrantes da América Central e caribenhos. Denunciamos que os aparatos de segurança não são mais que um mecanismo de coação e repressão dos governos e Estados contra os povos que se rebelam em defesa das suas condições de vida. Defendemos: abaixo as medidas de exceção que fortalecem as medidas repressivas e o fortalecimento das polícias e demais forças de segurança, basta de perseguição aos migrantes nos Estados Unidos; abaixo os assassinatos de dirigentes sociais na Colômbia; abaixo a repressão criminosa no Chile e na Bolívia, Justiça para Marielle Franco e punição dos responsáveis pelo seu assassinato, liberdade para as centenas de presos políticos, abaixo a perseguição aos lutadores e dirigentes sindicais na Venezuela, pela liberdade imediata dos lutadores operários presos. Aparição com vida de Facundo Castro, liberdade para Sebastián Romero e o fim do processo contra Cesar Arakaki na Argentina."

Leia aqui: Resoluções da Conferência Virtual Latino-Americana e dos EUA

Reproduzimos à seguir a fala de Mario Villareal, Advogado de Direitos Humanos, na defesa de Sebastian Romero e Daniel Ruíz, do PSTU da Argentina:

Bom, companheiros, boa tarde para todos. Obrigada pelo convite. Em nome do PSTU da Argentina, em nome da LIT e sobretudo em nome de Sebastian Romero. Com, como sabem, talvez na Argentina mais, mas no resto da AL precisam saber, Sebastian Romero está preso desde 30 de maio deste ano, quando foi detido pela Interpol na República do Uruguai e foi extraditado ao nosso país. É perseguido pelo governo de Mauricio Macri e por Patricia Bullrich por ter participado e enfrentado a Reforma da Previdência do 18 de dezembro de 2017. Uma Reforma da Previdência que contou com o apoio dos governadores peronistas para ser levada adiante e na qual sofremos uma repressão duríssima com muitos companheiros que ficaram feridos, alguns perderam a visão nessa mobilização e vários foram processados.

Neste momento, foi perseguido pelo governo de Macri e de Bullrich e atualmente está preso sob o governo de Aníbal Fernandez e a justiça burguesa que nesse momento ele representa. Pela mesma causa, Daniel Ruiz esteve preso por 13 meses, por ter participado da mesma mobilização e também companheiro de militância nosso no PSTU. Foi liberado depois de 13 meses graças a uma campanha política de unidade, com uma mobilização importante a nível nacional e internacional. Neste momento estamos sofrendo a prisão de Sebastian Romero, mas além de Sebastian, em toda a América Latina temos tido perseguição aos lutadores. Existe uma perseguição aos ativistas e existe uma perseguição aos operários. E isso se revela por um enfrentamento, como acontece nos Estados Unidos com a questão de George Floyd e como se revela neste momento no Chile, onde os Mapuches estão em greve de fome contra a lei que justifica que tenham sido presos.

Sebastian Romero está preso desde o 30 de maio, é acusado por depredação pública e decretaram a prisão preventiva e uma multa de 60 mil pesos argentinos. Todos as instâncias judiciais foram rechaçados até agora, a liberação, foi rechaçada a prisão domiciliar até o momento e foi confirmado o aviso preventivo. Assim, é muito provável que vamos para um julgamento. Se tivermos em mente que é a mesma justiça que prendeu Daniel Ruiz, nos preparamos para uma longa campanha. Agora temos que lutar pela sua liberação. E essa liberação significa tornar público, em todos os países, que chegamos junto a vocês e que a LIT, a Liga Internacional de Trabalhadores temos, uma campanha muito ampla pela liberdade de Sebastian.

Sebastian é um operário de 12 anos de trabalho na fábrica da General Motors, foi delegado de base enfrentando os traidores do sindicato de SMATA, que fecharam um acordo de 150 suspensões e demissões e quando participou desta mobilização, como recém disse, enfrentando a Reforma da Previdência, de Macri e dos governadores peronistas, foi identificado e perseguido. Esteve durante dois anos perseguido a nível nacional e internacional por uma recompensa de 1 milhão de pesos desde 2018. Uma recompensa que é exorbitante se vemos o que o mesmo governo oferecia por narcotraficantes ou genocidas 250 ou 300 mil pesos. Bom, nesse marco queremos dizer, em primeiro lugar, que convocamos todas as organizações sociais, políticas e estudantis a se somar à campanha pela liberdade imediata de Sebastian Romero, pela absolvição de Daniel Ruiz, César Arakaki e todos que estão sendo perseguidos. E também para que essa justiça burguesa libere os lutadores, deixe de perseguir e reprimir e prenda os reais responsáveis, como é o caso da empresa Vicentin. Bom, muito obrigado, saudações de Sebastián Romero, saudações nossas, estamos à disposição para qualquer atividade que possamos organizar em unidade em defesa dos direitos humanos e em defesa de todos os presos políticos.




Comentários

Comentar