Economia

Comércio exterior, um assunto muito sério para ser deixado em mãos privadas

Enquanto continuam as idas e vindas da “expropriação?” da Vicentin, é um bom momento para se perguntar o que fazer com todo o comércio exterior que hoje é um verdadeiro monopólio privado, concentrado por menos de 100 empresas.

segunda-feira 15 de junho| Edição do dia

A disponibilidade de divisas estrangeiras é um problema crítico para o funcionamento da economia argentina. A estrutura de produção é configurada em todas as filiais, de forma que a maioria dos setores, especialmente a indústria, exija uma alta porcentagem de componentes importados para funcionar. A dependência de insumos importados existe desde o início do desenvolvimento industrial do capitalismo dependente argentino e sempre funcionou como um freio à produção, uma vez que, para cada ponto percentual de aumento do produto, as compras externas crescem acima desse 1%; o que piorou na década de 1990, como resultado combinado da destruição de inúmeras cadeias de fornecedores pelo esquema econômico vigente e pela reconfiguração de cadeias de valor globais ou regionais que substituíram os fornecedores locais por estrangeiros, como é o caso paradigmático da indústria automotiva. Desde então, as características do aparato produtivo permaneceram inalteradas nos primeiros anos após a saída da conversibilidade, a participação da indústria no PIB cresceu, mas com a mesma estrutura desarticulada herdada. A “mudança estrutural” de que falaram os governos de Néstor Kirchner e Cristina Fernández, de fato, não foi aconteceu.

A demanda por divisas estrangeiras para produção foi superada nas últimas décadas pela cobrança de moeda estrangeira pelos credores da dívida pública e pelo comportamento de grandes empresários, locais ou estrangeiros, de quase todos os setores de produção ou serviços, que se caracterizam pela conversão em dólares e giro ao exterior de grande parte dos lucros que obtêm de suas operações no país, subtraindo assim os recursos disponíveis para investimento na expansão da capacidade produtiva. O serviço da dívida em moeda estrangeira, a remessa de lucros de empresas multinacionais para o exterior e a fuga de capitais se tornaram um fardo cada vez mais pesado para a economia nacional, exceto em momentos excepcionalmente favoráveis ​​à exportação do país, como foi o período entre 2003-2013, que passou por altos e baixos e não pôde ser sustentado pelos dólares provenientes das exportações.

Para evitar as recorrentes desordens econômicas, é essencial determinar de maneira racional o destino dos dólares comerciais, de acordo com um plano que realmente tenha a ver com as necessidades fundamentais da sociedade e não com o lucro privado, e assim evitar qualquer manobra de fraude ou especulação com a liquidação das divisas de exportação. Tanto quanto pôr fim à sangria de recursos que impõe os credores, especuladores, empresas imperialistas e a grande burguesia "nacional".

O monopólio privado do comércio exterior

Hoje existe um monopólio privado do comércio exterior, que consiste em algumas dezenas de empresas que concentram entre a metade e dois terços das exportações do país. São as empresas de comércio de grãos e derivados, empresas de petróleo e mineração e, no setor manufatureiro, algumas grandes empresas do agronegócio, automotiva, alumínio e outros metais. Nesse pequeno grupo, encontramos algumas das principais empresas imperialistas que operam no país junto a grupos econômicos locais, como Aluar ou Techint. Diferentemente do que ocorre com a economia nacional como um todo, esse setor de grandes empresas registra rotineiramente grandes superávits em sua balança comercial. Como Andrés Wainer e Paula Belloni observam:

“Esses atores, como grandes fornecedores de divisas estrangeiras, têm um poder de veto importante, por exemplo, estabelecendo limites objetivos à capacidade do Estado de se apropriar de renda e/ou modificar os parâmetros do comércio exterior. Pelo tipo de setores em que estão inseridos, caracterizam-se por não reinvestir seus lucros na esfera produtiva e enviá-los para o exterior na forma de remessa de lucros ou fuga de capital.” [1]

O "poder de veto" de que os autores falam se manifesta de várias maneiras. Com o desenvolvimento de cadeias de valor globais, nas quais a Argentina tem uma integração significativa apenas no caso do setor agroalimentar, o setor automotivo (nas etapas finais orientadas à venda no Mercosul e em outros países da América Latina e, excepcionalmente, na produção de componentes de alguma importância para suprimento mundial, como as caixas de câmbio que a Volkswagen fabrica no país para abastecer várias de suas fábricas no mundo) e mais algumas, as multinacionais realizam comércio administrado entre suas filiais. Por meio de operações intra-firmas localizadas em diferentes países, essas multinacionais se especializaram no gerenciamento de preços de transferência, o que lhes permite aumentar os custos em jurisdições de alto imposto e transferir lucros para as empresas-mãe, geralmente através de paraísos fiscais, que oferecem o benefício de ter taxas de imposto baixas ou inexistentes e um alto nível de sigilo. Com manobras sem transparência, é assim que essas empresas acabam imputando a maior parte dos lucros das filiais localizadas nos paraísos fiscais (onde nada é produzido e ainda são a sede de grandes empresas industriais, como é o caso da argentina Techint, com sede social em ... Luxemburgo), evitando impostos de quantias multimilionárias. Os mecanismos já ultrapassam o comercial, e os créditos entre filiais também podem permitir ocultar rotações de lucros para países com menor pressão tributária, a fim de reduzir o pagamento de impostos. Esses são os mecanismos desenvolvidos na Argentina sempre que são aplicadas restrições às operações de câmbio, para contorná-las. Logo, a apropriação do recurso escasso, que é em dólares, e a fuga do pagamento de impostos andam de mãos dadas.

As consequências desse "monopólio privado" do comércio exterior também são uma maneira de perfurar o controle das operações de compra e venda de divisas. Acontece que os grandes vendedores no exterior também costumam ser os grandes compradores. Como relatou o jornalista Alejandro Bercovich, a partir do cruzamento de dados entre a Alfândega e o Banco Central, foi revelado que em apenas dois meses (abril-maio) deste ano, as importações eram de US$ 5,8 bilhões, mas os importadores acessaram divisas de US$ 7,5 bilhões; uma diferença fenomenal de 30%. Ou somos confrontados com o excesso de faturamento habitual de importações, ou uma declaração de operações não especificadas para obter moeda estrangeira. Em outras palavras, vemos um uso de canais legais para a compra de dólares para imobilizar, leia-se: acumular dólares, aguardando algum ajuste na taxa de câmbio ou descartá-los para venda em canais paralelos. Diante de tais evidências de fraude, a resposta das autoridades não incluiu exigir o reembolso de dólares, eles apenas apertaram o garrote no acesso às divisas, algo que hoje em dia o chefe do Banco Central, Miguel Pesce, está avaliando em relaxar mais uma vez , dadas as reivindicações dos importadores.

Na Argentina, 40% do comércio exterior corresponde ao comércio de cereais e oleaginosas com seus derivados e 25% é o complexo de soja. Na campanha anterior de 2018/19, os cinco principais exportadores de grãos e subprodutos agrícolas concentraram 57% das vendas totais no exterior. As multinacionais Cofco, Cargill, ADM-Toepfer, Bunge e a petrolífera argentina Aceitera General Deheza (AGD) foram as 5 empresas que lideraram as exportações de grãos e derivados, com participação de 14, 12, 11, 10 e 9%, respectivamente. Vicentin ficou em sexto lugar com quase o mesmo volume que a AGD. Situações semelhantes são observadas no restante das exportações argentinas, onde as multinacionais de mineração e automotivas ocupam posições de liderança.

A privatização do comércio exterior piorou desde a década de 1990, quando algumas empresas ampliaram seu controle sobre a logística de despachos para o exterior. As empresas de cereais operam seus próprios portos, uma vez que foram privatizados. No Rio Paraná: Cargill; Bunge, AGD, Vicentín, Dreyfus, Toepfer (Alemanha), Molinos de Río de La Plata e Nidera. A Cargill possui frota própria e opera o Terminal 6 de Puerto San Martín. Em condições similares se encontra a Bunge.

Com toda essa complexa rede operando em escala internacional e priorizando suas oportunidades de negócios, sem que entre minimamente em suas considerações o requerimento mínimo de divisas da economia argentina, nada poderia ser mais ilusório do que a ideia de assumir a Vicentin, uma empresa esvaziada e quebrada, para operar através dela no comércio de grãos, será suficiente fazer uma “mini IAPI” (Instituto Argentino de Promoção do Intercâmbio) e por em caixa todos esses jogadores.

Acabar com a manipulação do comércio exterior dos caprichos desses conglomerados capitalistas é uma medida elementar de autodefesa nacional contra as oscilações econômicas globais e do roubo imperialista. As decisões de compra e venda, decidindo o que o país precisa importar e o que não, o que pode ser exportado sem escassez da população, são decisões que não podem ser deixadas nas mãos de um punhado de capitalistas. Por esse motivo, uma medida fundamental para acabar com o estrangulamento recorrente do câmbio é impor a nacionalização do comércio exterior; com o Estado centralizando as compras e vendas no exterior e determinando quando realizá-las.

Uma medida histórica

A necessidade de se defender contra o imperialismo, nos países dependentes e semicoloniais, levou os governos burgueses a avançar em direção à nacionalização parcial do comércio exterior em determinadas circunstâncias. Um exemplo é Perón em seu primeiro governo, com o Instituto Argentino de Promoção de Intercâmbio (IAPI). Criado em maio de 1946, apoiado pelo antecedente do Conselho Nacional de Grãos, que existia desde a década anterior [2], tinha várias funções: comercial; financeira; de regulação do mercado interno; de promoção e incentivo; de fornecimento de bens importados e executor de subsídios para o fornecimento de alguns produtos para consumo em massa [3].

Entre as medidas comerciais, ele comprou cereais de produtores para vender no exterior. No caso de vários cereais (aveia, cevada, centeio e milho), adquiriu apenas as cotas necessárias para exportação, deixando a comercialização do restante da colheita direcionada ao mercado interno em mãos privadas. No caso do trigo, adquiriu quase toda a produção, exportando uma parte e alocando outra / à venda local para moagem. O mesmo aconteceu com as oleaginosas, das quais ele adquiriu todo o grão que então entregava em cotas aos industriais, para processamento. O óleo resultante do processo também foi exportado pelo IAPI. As exportações de carne, couro, gorduras e sebo também foram realizadas pelo Instituto, antes da compra no mercado interno, embora em proporções diferentes, conforme os anos [4].

Essa nacionalização do comércio exterior implicava que o Estado assumisse o controle da moeda estrangeira das exportações agrícolas e da renda agrícola apropriada. Diferentemente da década de 1930, quando o Grain Boards estabeleceu um preço de suporte para beneficiar os produtores, o IAPI (que iniciou operações em um momento de altos preços internacionais para grãos, diferentemente da década pós-crise de 1929) fixou um preço máximo para o mercado interno. Depois, vendeu para o exterior com uma diferença que chegou a 50%. Em outras palavras, ele se apropriou de uma proporção significativa da renda agrícola, como as retenções fazem hoje, mas em maior medida.

Todavia, em 1949, as condições internacionais mudaram: os preços agrícolas internacionais se deterioraram, como resultado das abundantes colheitas na Europa, no Canadá e nos EUA. A queda de renda aumentou a guerra com fazendeiros e agricultores, que desde o início se opuseram ao IAPI. Diante da nova situação e do colapso da produção, ele modificará suas operações e começará a subsidiar a produção rural, como fizeram os Conselhos na década de 1930. A queda nos preços internacionais e no custo dos subsídios levará que "o IAPI decida privatizar gradualmente o comércio em face do enorme déficit que deve ser financiado ”[5]. Ele foi sendo liquidado pela o governo que derrubou Perón, mas com um papel cada vez mais restrito e secundário.

Isso mostra que qualquer nacionalização do comércio exterior deve ser acompanhada por um avanço sobre a grande propriedade [6] e nas estruturas do "agropower".

Um programa de conjunto

Um monopólio estatal do comércio exterior, que não acabe subsidiando os grandes atores do agropower, deve andar de mãos dadas com o fim do parasitismo das grandes propriedades rurais. Isso permitiria que o câmbio gerado pelas exportações fosse gerenciado com base nas necessidades de uma produção a serviço da maioria da população e não nos ganhos de alguns. Para gerenciar as importações, é fundamental priorizar a aquisição do que é necessário para o funcionamento produtivo e a atenção às necessidades da população.

Hoje a Argentina parte de uma estrutura produtiva profundamente desarticulada; a maioria dos setores produtivos que deveriam ser de interesse para impulsionar seu desenvolvimento, porque impactam no desenvolvimento de toda a economia e / ou contribuem para elevar a qualidade de vida, exige investimentos que só podem ser realizados se tivermos capacidade para importar meios de produção e insumos que o país não produz. O monopólio estatal do comércio exterior, juntamente com o estabelecimento da propriedade pública de fontes produtivas fundamentais, que estão agora nas mãos de empresas imperialistas ou de grandes grupos nacionais, devem ser gerenciados pelos trabalhadores que os colocam em funcionamento diariamente, o que permitirá que sejam definidas as prioridades do comércio, quais importações podem e convém a aposta em substituição pela produção local, e em quais casos isso é menos viável, ao menos no imediato.

A fuga de capital, pagamentos onerosos de dívidas, remessas de lucros de empresas multinacionais que operam no país para suas empresas controladoras e a renda agrícola mostram que o problema não é a falta de recursos potencialmente disponíveis para realizar os investimentos mais urgentes que permitem o desenvolvimento das forças produtivas. O problema está em como os atores que concentram a apropriação do excedente fazem uso dele.

A “restrição” fundamental que explica o atraso e o declínio tem caráter de classe: é o resultado do governo de uma burguesia composta de mil laços com o imperialismo. Se pararmos com o esvaziamento nacional produzido pelos credores da dívida, pelas grandes empresas e pelo agropower, impondo através do monopólio do comércio exterior e de um sistema financeiro nacionalizado, encerrando o lucro obtido pelos grandes bancos da falência nacional, eles podem garantir os recursos para aumentar a capacidade de criar riqueza, para serem usados ​​para melhorar ou desenvolver as infraestruturas fundamentais, para a construção de casas, escolas, hospitais, para a modernização do transporte e para garantir o acesso à cultura e ao lazer.

NOTAS

[1] Andrés Wainer y Paula Belloni, “¿Lo que el viento se llevó? Restricción externa en el kirchnerismo”, Martín Schorr (coordinador), Entre la década ganada y la década perdida. La Argentina kirchnerista. Ensayos de economía política, Buenos Aires, Batalla de Ideas, 2018, p. 77.

[2] O Grain Board foi estabelecido com o objetivo inicial de centralizar o comércio e as exportações, mas com o objetivo de fornecer aos produtores um preço mínimo, superior ao do mercado internacional. Era uma maneira de subsidiar o Estado, então governado por uma coalizão conservador-liberal que tinha sua base social, a renda agrária, nos grandes proprietários de terras. Era a época da Grande Depressão, quando os preços da carne e do trigo despencaram, e os grandes proprietários de terras e capitalistas agrários encontraram nessa intervenção pública e no Pacto de Roca-Runciman, que procurava manter aberto o comércio com a Grã-Bretanha, a preservação de seus interesses.

[3] Susana Novick, “La experiencia del primer peronismo sobre comercio exterior”, Sociedad N.º 24, março 2012.

[4] Idem.

[5] Idem. Como disse Juan Carlos Esteban, citado por Novick, dada a deterioração dos preços, "o governo do General Perón vacila e não pode avançar em uma reforma agrária que liquide a renda parasitária ...".

[6] Começando com a desapropriação sem pagamento dos 4.000 grandes proprietários de terras que são os únicos proprietários de mais de 30% das terras cultiváveis ​​em todo o país, que hoje, como ontem, continuam a se apropriar de uma parcela significativa da renda agrícola participando do agronegócio. Ver Esteban Mercatante: ““Han desaparecido los dueños de la tierra”, Ideas de Izquierda, 1 de julho de 2013.




Tópicos relacionados

Comércio Exterior   /    pandemia   /    Alberto Fernández   /    Agronegócio   /    Economia

Comentários

Comentar