Sociedade

REPRESSÃO NA CRACOLÂNDIA

Comerciantes relatam violência da polícia com usuários de drogas em ação na Cracolândia

A polícia, contudo, nega que tenha cercado os usuários e lançado bombas de gás. Mas para quem viveu e vive nessa região, como a comerciante que relatou esses absurdos, a violência é bastante recorrente.

quinta-feira 28 de setembro| Edição do dia

Foto: A Craco Resiste

Nesta manhã, 28, mais uma vez a ação da GCM na Cracolândia acabou em conflito. O programa “Redenção” de Dória para a Cracolândia é assim mesmo. Primeiro, o prefeito trabalhador manda a polícia torturar os usuários de crack, fazendo com que eles sejam perseguidos pela polícia incessantemente, e por fim, reprimidos.

Segundo relatos de uma comerciante do local, Beatriz Falcon, essa manhã não foi diferente. Os moradores de rua foram cercados pela polícia sob efeito de bombas de gás. Talvez esse não seja um grande problema para o prefeito, pois os usuários não passam de indigentes pelos quais ninguém reclama. Vale até demolir prédio com gente dentro nessa ação de revitalização para especulação imobiliária.

"Foi uma correria. Os usuários de drogas foram obrigados a entrar nas tendas dos programas Braços Abertos, Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS) e Atendimento Diário Emergencial (Atende 2)", disse Beatriz”. Eles (GCM) jogaram bombas de efeito moral e bateram nos usuários de droga", afirmou.

Veja vídeo dos Jornalistas Livres:

Sim, esse é objetivo central desses anos todos em que a região da Luz tem sido palco das ações arbitrárias da polícia militar e da GCM. Há uma revitalização do centro velho, construção de novos prédios e venda de apartamentos para a classe média morar. Essas pessoas precisam que a cidade seja linda, e por isso os moradores de rua não são bem-vindos, pois poluem a região com suas drogas e seu fedor.

De acordo com a versão oficial da GCM, não houve disparo de bomba. Porém, é possível achar vídeos na internet, bem como dar um passeio matinal pelo Minhocão ou pelas ruas da Cracolândia e presenciar a polícia limpando a região pela manhã para que durante o dia os moradores de rua fiquem longe da região, a fim de não poluírem a paisagem.

Pode te interessar: “Redenção: o programa de Dória para a Cracolândia”.

Não podemos permitir que o prefeito de São Paulo junto com o governador do estado trate um problema de saúde pública, como é o caso do uso de crack, como caso de polícia. A região da Cracolândia é composta, por negros e indígenas, oriundos de diversos locais do país, no êxodo que se deu para São Paulo em busca de uma vida melhor. Hoje, o que lhes resta é serem torturados pela polícia como se fossem bois no abatedouro.




Tópicos relacionados

Drogas   /    Sociedade   /    Violência Policial   /    São Paulo (capital)

Comentários

Comentar