Juventude

CONUNE

Começa CONUNE 2019 em meio à aprovação da reforma da previdência na Câmara

Com delegações vindas de diferentes regiões do país, enquanto acontece a votação da reforma da previdência na Câmara, começa o Congresso da União Nacional de Estudantes (UNE) na Universidade de Brasília (UnB).

quarta-feira 10 de julho| Edição do dia

Com delegações vindas de diferentes regiões do país, enquanto acontece a votação da reforma da previdência na Câmara, começa o Congresso da União Nacional de Estudantes (UNE) na Universidade de Brasília (UnB).

Mesmo o congresso reunindo milhares de estudantes na capital do país, a direção majoritária da UNE, a UJS (juventude do PCdoB), não coloca toda essa disposição estudantil para lutar verdadeiramente contra a reforma da previdência que está sendo aprovada hoje na Câmara, a poucos quilômetros da UnB.

Frente a isso, Odete Cristina, delegada da USP no Conune e militante da juventude Faísca anticapitalista e revolucionária, declarou que “A UNE poderia organizar um grande ato contra essa votação absurda de alguns poucos políticos como Tábata Amaral, que demagogicamente se diz defensora dos direitos da juventude e do povo pobre, mas que acabou de votar sim pela reforma da previdência contra a aposentadoria de milhões de trabalhadores. No entanto, por iniciativa da UJS, o que está se configurando é um congresso que fecha os olhos para aquela que deveria ser principal batalha nacional contra o governo Bolsonaro”.

PODE INTERESSAR: O congresso da UNE fechará os olhos para a aprovação da reforma da previdência?

A Juventude Faísca durante todo o último período veio dando batalhas pela unificação de estudantes e trabalhadores para sair em defesa da aposentadoria e a educação, inclusive em meio às eleições do CONUNE quando levantava a necessidade da UNE e as Centrais Sindicais romperem com a paralisia e elaborarem um verdadeiro plano de lutas contra a reforma da previdência e os cortes do governo.

Durante toda a semana o Esquerda Diário seguirá cobrindo o CONUNE, como também a votação da reforma da previdência, desde aqui de Brasília.

LEIA TAMBÉM:

“Não esquecemos que a UJS que dirige a UNE apoiou Rodrigo Maia”, diz Isa Santos

"Nós mulheres não caímos na armadilha de Tábata Amaral" diz Flávia Telles




Comentários

Comentar