Internacional

OPINIÃO

Com o Golpe de estado, a direita neoliberal governa novamente a Bolívia

A direita do empresariado, proprietários de terras com sua ideologia clerical e com armas na mão, voltou a atacar as conquistas sociais e subjetivas que foi conquistada com a luta do movimento de massas, indígenas e populares. Isso também foi graças ao MAS que, durante os 14 anos de seu mandato, fortaleceu as margens da classe média e deu milhões de lucros à burguesia nacional.

sexta-feira 13 de dezembro de 2019| Edição do dia

O que foi o processo neoliberal?

Há toda uma geração de jovens que não viveram o processo neoliberal. Era uma época em que os partidos de direita, com base em empresários, privatizaram empresas estatais, vendiam recursos naturais e os únicos beneficiários eram a classe rica e média. O famoso decreto n° 21060 impôs a liberalização da economia e não havia controle do Estado sobre as empresas privadas. Com a justificativa da crise econômica internacional, eles fizeram os trabalhadores pagarem a crise com realocação, demissões de milhares de trabalhadores (principalmente mineiros). Com flexibilidade trabalhista, promoveram o desaparecimento de sindicatos e federações em todo o país.

Um regime em que empresários e políticos de direita dominavam contra trabalhadores, camponeses e pessoas pobres. O direito neoliberal neste período de baixa legitimidade foi sustentado com base nas forças armadas e na polícia.

Resistência ao processo neoliberal

A resistência a este período foi feito pelos mineiros, camponeses e os bairros pobres que surgiram a partir dos milhares de realocados. Foi um período em que surgiram entorno das cidades vilas e favelas. Com jovens agricultores migrantes, trabalhadores precários e desempregados. Essa é a configuração social da resistência no período neoliberal.

Os marcos dessa resistência foram “a guerra da água” em Cochabamba em 2000. Quando os neoliberais queriam privatizar os abastecimentos de água e cobrar imensas contas aos pobres para beneficiar as grandes transnacionais internacionais. A enorme resistência de Cochabamba com as cidades pobres, acompanhada de camponeses e trabalhadores, não deixou que isso acontecesse. A repressão do então presidente Hugo Banzer Suarez teve 4 mortos, 121 feridos e como 172 presos.

Os partidos de direita que endividaram o país com o FMI, tentaram outra tática para pagar essas dívidas e disseram que o estado estava sem dinheiro em fevereiro de 2003 e que os trabalhadores em todo o país tinham que dar uma porcentagem de seus salários. O chamado: “Impuestazo”.

A luta não demorou a chegar e o que foi chamado de "fevereiro negro" no ponto de vista dos ricos. Mas foi um marco na luta, de acordo com os trabalhadores que lutaram para o governo recuar. O saldo trágico dessa luta foi de 30 mortos. Isso começou a marcar o início do fim de governos empresariais como Gonzalo Sánchez de Lozada.

Não satisfeitos com o que aconteceu em fevereiro daquele mesmo ano, os neoliberais e os partidos de direita tentaram sua última façanha em outubro. Eles queriam entregar o grande negócio de gás nas mãos estrangeiras. Segundo as explorações, o país tinha grandes reservas. O que nesses 14 anos encontrariam os bolivianos.

A guerra do gás, com mais de 70 mortos na cidade de El Alto, mostrou que trabalhadores, camponeses e pobres podem resistir e vencer a sede voraz capitalistas e privatizadores que têm à direita e com os empresários deste país. A guerra do gás mostrou que a luta dos trabalhadores, camponeses e pobres pode combater e conquistar a nacionalização dos recursos naturais e, assim, gerar benefícios econômicos para todos os bolivianos.

O MAS IPSP tentou se apropriar de todo o acúmulo de força e resistência que foi dado ao processo neoliberal, mas após esses 14 anos, podemos dizer que, pelo contrário, o dividiu, corrompeu e foi contra os trabalhadores e camponeses. Ele dividiu enquanto aumentou a diferença entre trabalhadores sindicalizados e precários. A precarização aumentou para centenas de jovens que hoje têm empregos de baixa qualidade. Corrompeu a liderança que era servil todos esses anos, responsáveis por esmagar qualquer dissidência e aposentar a velha guarda trabalhista. Confrontou os camponeses e povos nativos para constituir um modelo "capitalista andino", atropelando sua autodeterminação e natureza ofensiva.

Na periferia das cidades, acompanhados por esse sentido capitalista, aumentavam as diferenças entre bairros de classe média e bairros de população rural e pobre.

Hoje, antes do avanço da direita no país que tenta violar os direitos conquistados, na cidade de El Alto estava dizendo que não vamos abandonar o método de luta. Não deixaremos que nossos recursos naturais sejam entregues, não permitiremos que o racismo, a demonização da pobreza, o golpe de estado em andamento sejam chamados de democracia. Não vamos deixar que a crise econômica que se aproxima seja paga pelos trabalhadores, camponeses e pobres.

Em nível nacional, está vigente essa polarização com as cidades de classe média e cidades vizinhas de trabalhadores e camponeses precários em bairros pobres. A resistência ao avanço da direita cívico e militar está sendo feita por bairros marginalizados de projetos capitalistas.

Senkata, Sacaba e os pontos de bloqueios no país marcam a febre da resistência para lutar contra o retorno da direita neoliberal. Há uma desconfiança do MAS que está negociando suas posições políticas com as quais eles não ofereceram a mínima resistência. A indignação com o racismo prevalecente, a estigmatização da luta, a divergência de opinião, está criando as condições para preparar um movimento de resistência muito mais forte e organizado frente ao golpe e ao que se aproxima dos governos reacionários.

Vamos unificar toda essa força contra o golpe

Neste momento em que as mobilizações estão em pausa, milhares de jovens em todo o país estão aprendendo e tirando conclusões dessa primeira batalha; Todo sabem que novos conflitos estão chegando em breve. Entre as barricadas, surgiram muitas novas amizades que são transformadas em reagrupamentos que se estendem por todo o país. Alguns até se deram o nome. A partir da LOR-CI (organização irmã do MRT na Bolívia), pensamos que é necessário moldar todo esse processo, estabelecendo, com eles, um grande movimento de jovens e mulheres contra o golpe. Frases como "os nossos mortos não se negocia" pode ser transformado em um emblema deste movimento. Esses milhares de jovens precisam se unir e se preparar, com um perfil anticapitalista e antiimperialista e que pretenda ingressar na classe trabalhadora. Como esse é o setor estratégico-chave do sistema, não apenas para derrotar o governo do golpe, mas para construir um verdadeiro governo de trabalhadores e camponeses.




Tópicos relacionados

Golpe de Estado Bolívia   /    Internacional

Comentários

Comentar