Política

HOMOFOBIA NO PARLAMENTO

Com apoio de Temer, novo presidente da bancada evangélica promete ofensiva contra gays

O deputado Hidekazu Takayama (PSC-PR) entra na presidência da bancada evangélica para substituir João Campos (PRB-GO). Com promessa de redobrar os esforços contra os direitos LGBT e das mulheres, a bancada evangélica tem em Michel Temer um aliado fiel.

segunda-feira 17 de abril| Edição do dia

A bancada evangélica, composta por 188 deputados (100 atuantes, segundo a Folha), constitui um imenso poder no Congresso Nacional, que é a expressão parlamentar da imensa influência política e do capital que concentram em suas mãos os donos das poderosas igrejas brasileiras.

Se nos governos petistas a busca de Dilma e Lula pela sua estratégia de alianças para a "governabilidade" levou a dar as mãos a conservadores reacionários dessa bancada, como Marco Feliciano e seu partido, o PSC - aliás o mesmo do novo presidente da bancada - , no período pós-golpe Temer garantiu uma aproximação imediata e profunda com esse setor que compõe parte do que há de mais nocivo na política nacional.

Após reunião na semana passada no Palácio do Planalto com setores da bancada, Temer divulgou, ainda no mesmo dia, um documento de orientação nacional curricular em que foram vetadas todas às orientações relativas à identidade de gênero e orientação sexual, garantindo que o Brasil permaneça como país recordista em LGBTfobia e assassinatos de homossexuais e de pessoas trans em todo o mundo.

A reportagem da Folha de S. Paulo divulgou trechos da pregação do pastor-deputado na cerimônia feita dentro da Câmara (mostrando que o Estado laico é uma ficção no Brasil), em um culto que ocorre todas as quartas. Takayama dizia a seus colegas frases como "Você é um príncipe, Deus te colocou no parlamento.", em uma exaltação que lembrava o voto dos deputados pelo golpe, há exato um ano, em que reafirmavam seu voto "por Deus e por sua família".

A promessa da bancada evangélica, agora contando com apoio entusiasta do Planalto, é seguir sua cruzada contra qualquer tipo de direito das mulheres e LGBTs, bem como sua defesa da proibição das drogas que mata milhares de jovens negros nas periferias.

Segundo a Folha, em uma hora de entrevista em seu gabinete, ele mencionou 29 vezes a família e sua intenção de defendê-la. Contanto que seja, é claro, heteronormativa e monogâmica. Ao atacar o direito dos homossexuais de constituírem suas famílias, ele argumenta: "Somos coerentes com as leis naturais".

As "leis naturais" da bancada evangélica, contudo, já são muito claras para quem acompanhe sua prática ao longo dos anos, seja na sua pregação, seja no parlamento: corrupção, enriquecimento ilícito, exploração da fé alheia para pregar o ódio e a intolerância, discriminação com mulheres e LGBTs, racismo e perseguição às religiões de matriz africana.

São a vanguarda do atraso em muito aspectos. Não é à toa que ocupam tantas cadeiras em um parlamento de corruptos e privilegiados, que atuam em defesa dos capitalistas e de seus interesses. Só a classe trabalhadora, ao lado das mulheres, negros e LGBTs pode oferecer uma saída a esse obscurantismo.




Tópicos relacionados

Machismo   /    Homofobia e Transfobia   /    Política

Comentários

Comentar