Educação

#UERJRESISTE #UERJEMGREVE

Com a UERJ em crise, Faculdade de Direito busca mudança de local

Sem estrutura e condições para funcionar por falta de dinheiro, a UERJ até adiou o início das aulas em seu campus. Enquanto, estudantes de toda universidade buscam articular um movimento de resistência em defesa da educação superior, em processo conduzido por influentes ex-alunos, a Faculdade de Direito ganhou na justiça o direito de mudar de local.

Guilherme Hamilton dos Santos Silva

Estudante de Historia UERJ

quarta-feira 2 de agosto| Edição do dia

Já é de conhecimento geral a grande crise que a Uerj vem enfrentado, a falta de repasses do governo do PMDB que disfarça o desejo de sucateamento da educação superior publica fica cada vez mais clara.

O que também não é novidade são o caráter elitista de alguns cursos como, Engenharia, Medicina e Direito. Composto em sua maioria pela elite privilegiada, assim eles sempre encontram uma saída individual e egoísta para manter seus privilégios, como no curso de Medicina que alguns professores optaram por manterem as aulas mesmo com a greve declarada em todos os setores da Universidade.

Em outra atitude egoísta, a Faculdade de Direito da UERJ, põem em prática seu plano de mudança de Campus, em um plano que já vem sendo feito há meses, um grupo de ex-alunos que compõem o corpo jurídico entre eles Luís Roberto Barroso ganharam no Tribunal de Justiça, a mesma justiça que condenou Rafael Braga e libertou o filho traficante dá desembargadora, o direito de usar o antigo Tribunal de Alçada e do Júri, na Rua Dom Manuel localizado atrás do tribunal central, próximo a ALERJ.

A princípio a transferência será do curso de pós-graduação em Direito, após isso todo restante do curso, com a falsa justificativa de melhora nas condições de estrutura e materiais.

Sendo assim ao invés de somarem a luta do não sucateamento da educação superior pública, a faculdade de Direito decide por abandonar o barco como ratos covardes e manter seus privilégios elitistas gerado por influência de personagens como os ministros Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e Joaquim Barbosa.




Tópicos relacionados

#UERJResiste   /    UERJ   /    Educação   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar